Paris Jackson acredita que o pai foi assassinado

Na sua primeira entrevista depois da morte de Michael Jackson, em junho de 2009, a filha do cantor diz estar convencida que a morte do pai não foi acidental

"De certeza [que foi assassinado]. É óbvio. Tudo aponta para isso. Soa a teoria da conspiração e a um completo disparate, mas os fãs verdadeiros e toda a família sabem [que é verdade]. Foi tudo premeditado", disse Paris Jackson sobre a morte do pai, Michael Jackson, em junho de 2009. A jovem, hoje com 18 anos, falou pela primeira vez sobre o caso em entrevista à revista Rolling Stone.

A causa da morte do cantor de Billie Jean foi atribuída a um cocktail de medicamentos, revelaram os resultados da autópsia. O seu médico particular, Conrad Murray, foi considerado culpado, em novembro de 2011, por homicídio involuntário de Jackson. "Muitas pessoas queriam a morte do meu pai", afirmou Paris à publicação, acrescentando que ainda não desistiu de conseguir fazer justiça: "Isto é como um jogo de xadrez e eu estou a tentar jogar da maneira correta. Para já, é tudo o que posso dizer sobre isso".

Quando o pai morreu, Paris Jackson tinha 11 anos. Os anos que se seguiram foram traumatizantes. "Diz-se sempre que o tempo cura. Mas não é verdade. Nós apenas nos habituamos. Eu vivo a vida a pensar que perdi a única coisa que sempre foi importante para mim. Qualquer coisa má que me aconteça não pode ser tão má como o que aconteceu antes. Então consigo lidar com isso", desabafou.

"Tentei crescer demasiado depressa e não fui uma pessoa assim tão boa", admitiu ainda, revelando ter sido sexualmente agredida aos 14 anos e ter tentado o suicídio, o que culminou com a sua ida para uma instituição escolar e terapêutica.

Sobre as acusações de pedofilia a Michael Jackson, Paris sublinhou que acredita na inocência do pai. "Imagina o teu pai a chorar porque o mundo o odiava por algo que ele não fez. Para mim, ele era a única coisa que importava. Comecei a odiar o mundo por causa do que lhe fizeram".

A jovem aborda ainda a infância ao lado do irmão, Prince, no rancho Neverland, a importância de Michael Jackson - "Não sabíamos quem ele era. Ele era o nosso mundo e nós éramos o mundo dele" - e a sua estreia, este mês, na moda ao protagonizar uma campanha da marca de roupa francesa Chanel.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG