O príncipe da Suécia era gozado por ser estúpido e lento. Um caso de dislexia

Carlos Felipe revelou que, tal como o pai, o rei Carlos Gustavo, e a irmã, herdeira do trono, sofre deste distúrbio de aprendizagem.

"Tomei a coragem necessária para falar em público e contar como sofri com a minha dislexia." Foi desta forma que o filho dos reis da Suécia, Carlos Gustavo e Sílvia, anunciou que sofre deste distúrbio de aprendizagem de leitura e escrita. Para não se esconder mais, aceitou presidir a uma conferência sobre este tema, em Estocolmo. Carlos Felipe, de 35 anos, recordou ainda que tanto o pai como a irmã, a princesa Victoria, herdeira ao trono, sofrem também de dislexia.

O príncipe, que é o terceiro na linha de sucessão, partilhou as suas experiências com os convidados, apesar de algumas recordações serem bastante dolorosas. "Custa-me muito estar aqui a falar sobre o meu problema, mas um dia teria de o fazer", admitiu Carlos Felipe, que a partir de agora quer incluir os vários aspetos relacionados com a dislexia na sua agenda oficial.

Ao DN, Ana Moreira, 64 anos, neuropediatra no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, onde acompanha crianças em idade escolar que sofrem deste distúrbio, reconhece que o testemunho do príncipe poderá traduzir-se numa ajuda para quem sofre de dislexia. "Falar da dificuldade que marcou a sua evolução foi algo obviamente importante para que as pessoas em geral fiquem com a noção de que esta é uma realidade que faz realmente sofrer as pessoas e as respetivas famílias."

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG