Congressista tem gabinete inspirado em 'Downton Abbey'

Aos 33 anos, Aaron Schock é um dos membros mais novos do Congresso norte-americano. Agora, pode vir a ser investigado pelo Comité de Ética.

Afinal, o presidente norte-americano não é o único político em Washington D.C. a acompanhar a vida da família Crawley e dos seus criados. No Capitólio, a pouco mais de um quilómetro da Casa Branca de Barack Obama, há outro fã de Downton Abbey... e da decoração da série de época britânica.

Aos 33 anos, Aaron Schock é um dos membros mais novos do Congresso, mas nem os poucos anos de casa o intimidam na The Rayburn House Office Building - um dos três edifícios da Câmara dos Representantes ocupados pelos seus membros. Segundo o The Washington Post, o jovem dispensou o verdadeiro "labirinto bege", cor com que está decorada a grande maioria dos gabinetes dos representantes, e rendeu-se às paredes vermelhas da "red room de Downton Abbey".

A história é contada pelo jornalista da publicação norte-americana Ben Terris, que ignorou o pedido do gabinete de comunicação de Aaron Schock e resolveu publicar as imagens desta redecoração no site do The Washington Post e na sua conta do Twitter, admitindo não perceber a insistência do assessor do congressista para que não publicasse as fotografias. "Paredes vermelhas. Uma parede em tons dourados com castiçais de parede. E isto é só a ala comum do gabinete do republicano de Illinois", escreveu o jornalista, recordando o que a secretária de Schock lhe, alegadamente, confidenciou: "É inspirada na sala vermelha de Downton Abbey"".

Recordando que a Câmara dos Representantes apenas providencia os materiais essenciais quando um gabinete é cedido a um novo membro do Congresso, que há uma paleta restrita de cores para se pintar as paredes - bege, azul e amarelo pálidos, e cinzento claro - e que decorações adicionais são da responsabilidade do próprio congressista, Terris explicou porque publicou o seu artigo intitulado" Ele tem um gabinete inspirado em Downton Abbey, mas não quer falar sobre isso".

Leia mais na edição e-paper ou impressa do DN.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG