Casamento real da Suécia custa 650 mil euros. E o rei é que paga

Boda do príncipe Carl Philip e Sofia Hellqvist realiza-se a 13 de junho e vai custar mais de meio milhão de euros. Chefe da casa real vai suportar todos os custos para evitar críticas

Se em países como a Holanda ou a Dinamarca é o dinheiro dos cidadãos que paga os casamentos reais, na Suécia esta situação não se verifica. É ao chefe da Casa Real quem cabe essa missão. O rei Carlos Gustavo não foge à tradição e, à semelhança do que aconteceu no passado, aquando os casamentos das filhas Vitória, herdeira ao trono, com Daniel Westling, em junho de 2010, e Madalena, com Chris O`Neill, em junho de 2013, vai assegurar os custos do enlace do único filho ainda solteiro, o príncipe Carl Philip, 36 anos, com Sofia Hellqvist, 30, que se realiza no próximo dia 13 de junho.

O anúncio foi feito esta semana, pelo diretor financeiro da Casa Real sueca, que revelou que a boda vai custar cerca de 650 mil euros. De acordo com a imprensa especializada, esta tradição deve-se ao facto de o rei não querer ser alvo de críticas por parte de movimentos anti-monárquicos.

Este valor inclui todos os gastos da cerimónia, desde os vestidos dos noivos ao guarda-roupa, jóias e gastos com cabeleireiros das damas de honor, o menu do copo d"água e ainda os honorários de Avicci, o dj sueco mundialmente famoso que vai animar os convidados. Só em despesas de segurança com a família real e os convidados estão previstos cerca de 200 mil euros.

Apesar das quantias envolvidas na operação, os noivos fizeram questão que a celebração tivesse também uma vertente solidária. Recentemente, Carl Philip e Sofia Hellqvist apelaram aos convidados que, em vez de presentes, fizessem uma doação à fundação Prince Couple. A associação foi criada especificamente para a data e tem como objetivo promover o apoio educativo a crianças carenciadas.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG