Diogo Morgado reage a rumores de romance com Joana de Verona

Diogo Morgado emitiu um comunicado no Facebook onde pede respeito, depois da publicação de notícias sobre um alegado namoro do ator com Joana de Verona, com quem protagoniza a novela "Ouro Verde"

Face à publicação de notícias que dão conta de um alegado romance entre Diogo Morgado e Joana de Verona, que fazem par romântico na nova novela da TVI Ouro Verde, e de uma consequente separação entre o ator e Cátia Oliveira, Morgado emitiu um comunicado no Facebook onde pede respeito.

"Gostaria apenas de me pronunciar neste sentido. O que faço a nível profissional, sempre foi para mim motivo de alegria e partilha profunda e generosa e constante para com o público. A vida de cada um, só a cada um diz respeito, assim como a verdade das coisas. Nunca expus, nem nunca tive intenção de expor a minha vida pessoal, nem a dos que me são próximos, e sempre pautei e fiz ponto de honra nesse aspeto da minha vida", frisou o ator de 36 anos.

Diogo Morgado acrescentou: "Reservo-me e sempre me reservei ao direito privado como qualquer um. Nesse sentido, peço atenção, respeito e noção de responsabilidade quando falamos sobre o que não sabemos, ou julgamos sobre o que nem temos ideia. Pedia que por respeito à situação e aos envolvidos tivessem isso em consideração".

O ator é pai de dois filhos, Santiago, de sete anos, e Afonso, de nove meses, fruto da relação de quase uma década com Cátia Oliveira.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.