Mariana Pacheco: "Vou ao supermercado de fato de treino ou de pijama"

A atriz de 24 anos, que dá vida à vilã Catarina, da novela da SIC Coração d'Ouro, foi a convidada desta semana do programa Alta Definição. Mariana Pacheco falou sobre a mãe, o pai e a fama

Em entrevista a Daniel Oliveira, Mariana Pacheco revelou que, durante as gravações da novela líder da estação de Carnaxide, teve momentos em que duvidou das suas capacidades. "Tive fases complicadas nesta novela. Achei que não ia conseguir, que era de mais para mim, que não ia estar à altura das expectativas. Tive muito medo disso. Tive de largar isso noutro sitio e pensar 'não, vais ter que estar à altura'", explicou.

Mariana Pacheco, que saiu de casa ainda durante a adolescência para ganhar a sua independência, falou longamente sobre a importância da mãe na sua vida. A atriz de 24 anos, que cresceu longe do pai (que vive em Macau), garante que a mãe colmatou a ausência da figura paterna. "A minha mãe fez isso muito bem". A atriz da SIC explicou ainda que ter um pai distante não deixou marcas. "Não sinto que me tenha traumatizado, que seja uma falha em mim. Acho que isso não me fez mossa, acho que me deu muita força".

Mariana Pacheco venceu, no passado domingo, 15 de maio, o prémio Revelação na XXI gala dos Globos de Ouro. O culminar de um sonho, que começou quase no berço. "Não me lembro de querer ser outra coisa que não artista. Acho que comecei a cantar mesmo antes de saber falar", afiançou.
"Quando começam a acontecer coisas boas, assim sucessivamente, é uma constante confirmação de que estamos no caminho certo. Não há compensação maior do que fazer aquilo que amo e chamar-lhe trabalho", afirmou Mariana Pacheco.

Apesar de a representação ser a área que lhe deu notoriedade, Mariana Pacheco é também cantora. Recentemente, uma atuação sua na discoteca Trumps, em Lisboa, foi capa de uma publicação semanal, com o título "Mariana Pacheco canta em bar gay". Questionada por Daniel Oliveira sobre essa noticia, a atriz desvalorizou o título: "eu percebo. Acho um bocadinho preconceituoso - e é uma coisa que não gosto -, mas percebo e, de alguma forma, até consigo prever que seja assim que a coisa seja tratada. Aquilo que escreveram não tem nada de ofensivo. A notícia em si não tem nada que eu possa apontar. Foi uma noite superdivertida", afiançou.

Sobre a exposição pública que lhe trouxe o mediatismo de ser protagonista de Coração d'Ouro, Mariana Pacheco garantiu manter uma postura descontraída. "Não escondo nada, não faço esse esforço de fechar a porta, quando estou em público faço a minha vida normalmente. Ainda hoje vou ao supermercado de fato de treino ou de pijama".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.