Presidenciais? "Não é algo que me interesse"

Especulações em torno de uma possível candidatura de Oprah dispararam depois do discurso da apresentadora e atriz nos Globos de Ouro

A apresentadora e atriz norte-americana Oprah Winfrey colocou um ponto final nas especulações e excluiu, numa entrevista publicada hoje, uma eventual candidatura às eleições presidenciais nos Estados Unidos em 2020.

"Sempre me senti muito segura e confiante em mim mesma, sabendo o que eu consigo e não consigo fazer. Não é algo que me interesse. Não tenho ADN para isso", afirmou a também empresária, numa entrevista publicada na revista In Style, quando questionada sobre uma eventual candidatura pelo Partido Democrata à Presidência norte-americana.

As especulações em torno de uma possível candidatura presidencial de Oprah dispararam depois da estrela da televisão norte-americana ter feito um discurso emotivo na gala dos Globos de Ouro, no passado dia 07 de janeiro.

Ao receber o galardão Cecil B. DeMille, um prémio de carreira, Oprah Winfrey abordou de forma contundente a questão do assédio e do abuso sexual de mulheres, no âmbito da recente vaga de denúncias em Hollywood contra várias figuras influentes e poderosas do meio cinematográfico, como o produtor Harvey Weinstein.

As palavras de Oprah Winfrey, de 63 anos, suscitaram reações em vários setores da sociedade norte-americana e diversas vozes vieram a público defender uma possível candidatura presidencial.

"Um novo dia está no horizonte", assegurou no mesmo discurso, que foi ovacionado de pé por uma plateia repleta de estrelas do cinema e da televisão norte-americanos.

Depois do discurso, a reconhecida atriz norte-americana Meryl Streep disse que Oprah tinha lançado "um míssil" durante a gala dos Globos de Ouro.

"Quero que ela se candidate a presidente (...) Não acho que ela tivesse qualquer intenção, mas agora não tem opção", disse então Meryl Streep.

A estação norte-americana CNN chegou a assegurar que Oprah estava "a analisar de maneira ativa" o lançamento da sua candidatura presidencial pelo Partido Democrata.

Com as declarações de hoje, a estrela televisiva põe fim às especulações que foram amplamente comentadas nas últimas semanas pelos 'media' norte-americanos.

Até o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, comentou a questão.

Trump afirmou que não acreditava que a apresentadora avançasse com uma candidatura, assegurando no entanto que, caso isso acontecesse, ele venceria a corrida presidencial sem problemas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.