Oprah pensa seriamente em candidatura à Casa Branca

O discurso de domingo nos Globos de Ouro ressuscitou a ideia

Oprah Winfrey, 63 anos, foi a autora do discurso da noite na gala de entrega dos Globos de Outro, no domingo à noite. E desde então fez ressurgir a ideia de uma candidatura à Casa Branca. Volta-não-volta essa possibilidade surge em cima da mesa, e agora, depois de ter abordado a questão do assédio sexual, duas pessoas amigas da apresentadora de TV garantiram à CNN, sob anonimato, que esta "está a pensar ativamente" em candidatar-se a presidente dos Estados Unidos.

Oprah, que recebeu o prémio Cecil B. DeMille, pôs de pé o auditório dos Globos de Ouro, com um discurso de nove minutos contra "os homens poderosos e brutais" que dominaram o mundo, afirmando que "o seu tempo chegou ao fim".

"Eu entrevistei e retratei pessoas que testemunharam algumas das coisas mais horríveis que a vida pode atirar contra ti, mas a única qualidade que todas parecem ter em comum é a capacidade de manterem a esperança numa manhã mais clara mesmo durante as nossas noites mais sombrias. Por isso, quero que todas as meninas saibam neste momento que um novo dia está no horizonte", disse.

"Quando esse novo dia finalmente amanhecer, vai ser por causa de inúmeras mulheres magníficas, muitas das quais estão aqui nesta sala esta noite, e por causa de alguns homens fenomenais que lutam duramente para ter a certeza de que vão tornar-se nos líderes que nos vão levar a um tempo em que ninguém mais tenha que dizer 'Me too' ['Eu também'] outra vez", realçou Winfrey diante de um auditório emocionado que se colocou de pé para a ovacionar.

Depois destas palavras as redes sociais encheram-se de pedidos para que Oprah Winfrey concorra a presidente dos Estados Unidos. E dois amigos garantiram à CNN que isso pode acontecer e que a apresentadora, uma das mulheres mais influentes do mundo, está a ser pressionada para avançar. Uma das fontes diz mesmo que as conversações já duram há uns meses, mas salienta que esta ainda não tomou uma decisão.

A assessoria de Oprah Winfrey não reagiu à notícia, mas o tema Casa Branca não é novidade. Foi apoiante de Barack Obama nas primárias dos democratas em 2008, tendo ajudado o então senador a derrotar Hillary Clinton. Em 2016, esteve a lado da candidata derrotada por Trump. Mas a empresária sempre descartou entrar na política ativa.

Em março do ano passado, três meses após a tomada de posse de Donald Trump, Oprah falou de uma possível candidatura, mas apenas para criticar Donald Trump.

Em outubro, afirmou à CBS que em 2020 "não haverá nenhuma candidatura para qualquer tipo de cargo".

No entanto, segundo a CNN, o companheiro de Oprah terá comentado com uma jornalista do Los Angeles Times, uma eventual candidatura. "Depende do povo. Ela fá-lo ia", terá dito Stedman Graham.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?