Natalie Portman: "Vivi um ambiente de terrorismo sexual com 13 anos"

Atriz revelou as dificuldades por que passou no início da carreira, quando se estreou no filme "Leon, o Profissional"

A atriz Natalie Portman revelou no passado sábado que, com apenas 13 anos, e logo após ter-se estreado como atriz num papel de relevo, vivia num "ambiente de terrorismo sexual" motivado pela crítica e pela forma como os fãs se lhe dirigiam.

Portman marcou presença na segunda Marcha das Mulheres, que se realizou um ano depois da primeira. Em 2017, a marcha foi convocada por ativistas em defesa dos direitos cívicos e contra o presidente Donald Trump, que tinha tomado posse no dia anterior; em 2018, as mulheres voltaram a marchar em janeiro, contra Trump e para sensibilizar para a violência sexual.

A atriz, que é um dos rostos do movimento Time's Up, contra a agressão sexual e discriminação, subiu ao palco em Los Angeles para falar sobre os traumas que sofreu no início da carreira na indústria cinematográfica.

Tendo começado com apenas 13 anos, no filme Leon, o Profissional, Portman contou perante a audiência que a primeira carta de um fã que recebeu era uma fantasia de um homem que sonhava violá-la, e revelou também que uma rádio local começou uma contagem decrescente para os seus 18 anos, data em que já seria legal dormir com ela; muitos dos críticos mencionavam ainda o seu "peito incipiente". "Entendi muito rapidamente que, ainda que tivesse 13 anos, se queria expressar-me por mim mesma estaria pouco segura e que os homens achavam que tinham o direito de discutir e objetificar o meu corpo, embora eu não estivesse confortável com ele".

A atriz assegurou mesmo que chegou a alterar comportamentos e a recusar papéis que incluíssem beijos, tendo enfatizado o lado mais "intelectual e sério". "Com 13 anos, a mensagem da nossa cultura foi clara: senti a necessidade de tapar o corpo, de inibir as minhas emoções e o meu trabalho para enviar uma mensagem ao mundo de que era alguém que merecia respeito e segurança. A resposta a essa forma de ser, desde pequenos comentários sobre o meu corpo a frases muito mais ameaçadoras, serviram para controlar o meu comportamento num clima de terrorismo sexual", sublinhou.

Natalie Portman esteve na Marcha das Mulheres em Los Angeles, EUA, com outras atrizes, como Eva Longoria ou Viola Davis, e marchou ao lado da senadora democrata Kamala Harris.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.