Madonna fala da influência de Portugal no seu próximo álbum

"Eu mudei-me para Lisboa e tenho andado a ouvir muita música aqui, como fado, que é uma música de Portugal", disse a cantora a uma publicação norte-americana

Numa entrevista à Entertainment Weekly sobre a sua tournée com "Rebel Heart", o disco que lançou em 2015, Madonna falou do seu próximo álbum, a sua experiência em Lisboa e da influência da cultura portuguesa na sua música.

"Está na hora de ter uma abordagem diferente e voltar à beleza e simplicidade da música e das letras", defendeu Madonna, que não quis desvendar muito sobre o seu próximo álbum. Disse simplesmente que está "a viajar pelo mundo e a ouvir muita música diferente".

"Estou a inspirar-me nas pessoas", concluiu a cantora que atualmente vive em Lisboa.

"Eu mudei-me para Lisboa e tenho andado a ouvir muita música aqui, como fado, que é uma música de Portugal. Aqui há uma grande mistura cultural de pessoas e música", disse a cantora quando lhe perguntaram o que estava a ouvir de momento.

A estrela norte-americana admitiu ao Entertainment Weekly que a sua mudança para a capital portuguesa tem sido inspiradora, o que pode revelar algumas influências da cultura portuguesa no álbum que estará agora a preparar.

"Agora ando a ouvir muita música de artistas locais (Lisboa) de quem nunca tinha ouvido falar antes e tem sido muito inspirador", revelou Madonna.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.