Jane Fonda: "Sinto-me muito mais nova agora do que quando tinha 20 anos"

Atriz norte-americana, de 78 anos, está em Portugal pela primeira vez e falou sobre o envelhecimento

Jane Fonda participou na conferência "A idade é uma escolha", realizada na manhã desta quinta-feira no hotel Pestana Palace, em Lisboa, e promovida por uma marca de cosméticos da qual é embaixadora. A atriz norte-americana, de 78 anos, mostrou-se entusiasmada por estar em Portugal pela primeira vez e falou sobre a forma como tem lidado com o envelhecimento.

"Tinha muito medo de envelhecer. Nunca imaginei que iria viver tanto tempo. Mas à medida que vamos envelhecendo o medo desaparece e percebemos que continuamos a ser aquilo que sempre fomos", explicou durante a conferência moderada por Daniel Oliveira e que contou ainda com as presenças de Maria Elisa Domingues e Simone de Oliveira, entre outros.

Não teve pruridos em admitir que já fez alguns retoques. "As pessoas estão sempre a dizer-me que pareço mais nova do que aquilo que sou. Já fiz algumas plásticas, admito, mas a verdadeira razão que faz com que eu pareça mais nova é a minha energia, a minha saúde e a minha postura", confessou, acrescentando. "Não quero romantizar o envelhecimento. Mas a verdade é que sinto-me muito mais nova agora do que quando tinha 20 anos. Era tão velha quando tinha 20 anos e isso tinha a ver com a atitude".

Outro dos segredos da jovialidade de Jane Fonda, e que foi partilhado pela própria durante a conferência, é manter "todas amizades" porque "são vitais". "Também faço novos amigos e grande parte deles são mais jovens do que eu. A sua juventude inspira-me e motiva-me".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.