Há 33 anos, os médicos quiseram desligar-lhe as máquinas. Hawking faz 76 anos

Aos 21 anos, foi-lhe diagnosticada esclerose lateral amiotrófica. Médicos deram-lhe mais cinco anos de vida

O físico britânico Stephen Hawking celebra esta segunda-feira 76 anos, cinquenta e cinco anos depois de lhe ter sido diagnosticada uma doença rara que o colocaria numa cadeira de rodas para o resto da vida.

O cientista descobriu que tinha esclerose lateral amiotrófica (ELA), uma doença neurológica degenerativa que paralisa os músculos do corpo, sem afetar o cérebro, aos 21 anos. Na altura, os médicos disseram-lhe que teria apenas mais cinco anos de vida, a média para os portadores desta doença. No entanto, o génio continua a dar o seu contributo no mundo da ciência.

E esta não foi a única vez que conseguiu surpreender os médicos. No documentário Hawking, de 2013, o físico contou que em 1985 teve de ser colocado em coma induzido, por causa de uma pneumonia, durante uma visita ao CERN, em Genebra, e que os médicos sugeriram à sua mulher Jane que desligasse as máquinas.

"A Jane recusou desligar as máquinas. Insistiu que me trouxessem de volta para Cambridge. As semanas nos cuidados intensivos que se seguiram foram as mais negras da minha vida", disse no filme. Em consequência da pneumonia teve de ser submetido a uma traqueostomia e desde então usa um dispositivo computorizado de linguagem, mas continua a ser uma das vozes mais respeitas na ciência.

Hawking estudou Física na University College, em Oxford - cidade onde nasceu -, apesar de mostrar preferência pela Matemática e do seu pai ter querido que estudasse Medicina. Três anos depois seguiu para Cambridge para estudar Cosmologia. Depois de tirar o Doutoramento, tornou-se investigador e, mais tarde, professor. Entre 1979 e 2009, foi professor de matemática no Departamento de Matemática Aplicada e Teoria da Física, em Cambridge, onde continua a desempenhar um papel ativo.

O físico britânico teve um papel importante em descobertas relacionadas com as leis básicas do universo, que o tornaram famoso. Entre os estudos que publicou, destacam-se The Large Scale Structure of Space-Time, em colaboração com George Ellis, em 1973, e General Relativity: an Einstein Centenary Survey, em 1979.

Recebeu doze honoris causa, para além de diversos prémios e medalhas. Membro da Royal Society e da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos tem viajado bastante - à China ou à Ilha de Páscoa. Tem marcado presença em várias palestras - recentemente foi convidado surpresa da Web Summit - e até participou numa viagem de simulação de microgravidade - como as que fazem os astronautas em treino, a bordo de um avião especialmente preparado, em 2007.

Pai de três filhos - todos fruto do primeiro casamento com Jane Hawking, tem também escrito livros de ciência para crianças com a filha Lucy.

Hawking espera ainda poder voar até ao espaço.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.