George Michael morreu de causas naturais

A investigação à morte do cantor foi dada como concluída

Os exames finais realizados ao corpo de George Michael revelam que o cantor morreu de causas naturais, anunciou hoje o médico legista responsável pela autópsia. A investigação à morte do artista, que morreu no dia de Natal aos 53 anos, foi assim dada como terminada.

George Michael sofreu uma cardiomiopatia dilatada (que impede o bombeamento eficaz de sangue para o corpo) com miocardite (inflamação do miocárdio) e fígado gordo (acumulação de gordura nas células do fígado), informou Darren Salter, médico legista deo condado de Oxfordshire, no sudeste de Inglaterra.

"Como há uma causa natural confirmada para a morte, a investigação vai ser interrompida e não há necessidade de mais inquéritos", disse o mesmo responsável, adiantando que não haveria mais informações sobre o processo e que a família pede respeito pela privacidade.

No final de 2016, foi noticiado que os resultados da autópsia de George Michael haviam sido inconclusivos, pelo que seria necessário aguardar várias semanas para ter os resultados de novos testes que iriam ser realizados.

Aquando da morte do cantor, a polícia indicou que não existiam circunstâncias suspeitas.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."