Francisco Rivera toureia com a filha de cinco meses ao colo

Toureiro espanhol partilhou imagem nas redes sociais e a polémica estalou. Rivera diz que é uma tradição

A imagem da discórdia mostrava Fran Rivera - como é chamado Francisco - com a filha, Carmen, de cinco meses, ao colo, enquanto toureava um novilho.

O toureiro partilhou a imagem no Instagram e rapidamente as redes sociais se inflamaram: acusaram-no de ser irresponsável e houve até quem o tivesse chamado de "imbecil". O tópico rapidamente se tornou um dos mais vistos no Twitter e Rivera foi "obrigado" a dar uma justificação.

Rivera partilhou imagem antiga, onde surge às cavalitas do pai, para demonstrar tradição familiar

"Mais segura do que nos meus braços não vai estar nunca", escreveu Fran, que entretanto voltou a publicar uma imagem, desta vez em que está ao colo do seu pai - o célebre Paquirri.

Francisco Rivera explicou que a fotografia é uma tradição de família: "Estreia de Carmen. É a quinta geração que toureia na nossa família. O meu avô toureou assim com o meu pai e o meu pai toureou assim comigo e eu fiz o mesmo com a minha filha Cayetana e agora com Carmen". Fran terminou o desabafo com a hashtag "orgulho de sangue".

Ainda a polémica estava ao rubro e Francisco publicava novo post. Ao lado da fotografia, partilhou uma imagem antiga, em que está às cavalitas do pai enquanto este toureia. "Repete-se a história. Viva a melhor herança, o sentimento, a pureza e a honra", escreveu.

Os sites dos jornais do país vizinho fizeram eco da imagem da discórdia. O El Pais escreveu "Fran Rivera expõe a filha a um novilho"; O El Mundo intitula a sua peça "Fran Rivera defende-se das críticas por estar a tourear com a filha". Entretanto, a Comissão de Proteção de Menores da Andaluzia já admitiu estar a estudar as medidas a serem aplicadas a Rivera.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.