Francisco Rivera toureia com a filha de cinco meses ao colo

Toureiro espanhol partilhou imagem nas redes sociais e a polémica estalou. Rivera diz que é uma tradição

A imagem da discórdia mostrava Fran Rivera - como é chamado Francisco - com a filha, Carmen, de cinco meses, ao colo, enquanto toureava um novilho.

O toureiro partilhou a imagem no Instagram e rapidamente as redes sociais se inflamaram: acusaram-no de ser irresponsável e houve até quem o tivesse chamado de "imbecil". O tópico rapidamente se tornou um dos mais vistos no Twitter e Rivera foi "obrigado" a dar uma justificação.

Rivera partilhou imagem antiga, onde surge às cavalitas do pai, para demonstrar tradição familiar

"Mais segura do que nos meus braços não vai estar nunca", escreveu Fran, que entretanto voltou a publicar uma imagem, desta vez em que está ao colo do seu pai - o célebre Paquirri.

Francisco Rivera explicou que a fotografia é uma tradição de família: "Estreia de Carmen. É a quinta geração que toureia na nossa família. O meu avô toureou assim com o meu pai e o meu pai toureou assim comigo e eu fiz o mesmo com a minha filha Cayetana e agora com Carmen". Fran terminou o desabafo com a hashtag "orgulho de sangue".

Ainda a polémica estava ao rubro e Francisco publicava novo post. Ao lado da fotografia, partilhou uma imagem antiga, em que está às cavalitas do pai enquanto este toureia. "Repete-se a história. Viva a melhor herança, o sentimento, a pureza e a honra", escreveu.

Os sites dos jornais do país vizinho fizeram eco da imagem da discórdia. O El Pais escreveu "Fran Rivera expõe a filha a um novilho"; O El Mundo intitula a sua peça "Fran Rivera defende-se das críticas por estar a tourear com a filha". Entretanto, a Comissão de Proteção de Menores da Andaluzia já admitiu estar a estudar as medidas a serem aplicadas a Rivera.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.