Existem mais quatro acusações de assédio sexual contra Kevin Spacey

Entre as alegações existe a de uma mulher, que na altura era adolescente. São mais casos na vaga de denúncias contra o ator

Existem quatro novas acusações de assédio sexual por parte de Kevin Spacey que, na sequência do escândalo, já se viu obrigado a pedir desculpas e assumir que é homossexual.

Agora, diz a BBC, surgem mais quatro de denúncias: três de homens, mas também uma de uma mulher.

Heather Unruh, que em outubro já havia tweetado sobre o facto de Spacey ter assediado um ente querido da jornalista, disse esta quarta-feira, em conferência de imprensa, que o filho foi vítima do ator. Tudo terá acontecido quando o rapaz tinha 18 anos, num bar em Nantucket, Massacusetts, EUA, em julho de 2016. Kevin Spacey terá convidado o filho de Heather para uma festa e comprou-lhe álcool, sendo que no referido Estado só aos 21 anos é legal consumir bebidas alcoólicas, e depois "agarrou-lhe" os genitais. O rapaz acabou por não ir à festa, aproveitando uma ida do ator à casa de banho para fugir. Uma investigação está já em curso, acrescentou.

"As suas ações são criminosas", frisou, esta quarta-feira, Heather Unruh, em conferência de imprensa.

Outra acusação vem da Irlanda do Norte, do barman Kris Nixon, que em 2007 terá sido assediado pelo actor. "Kevin Spacey sentou-se ao pé de mim num sofá e depois agarrou-me o pénis", disse Nixon à BBC., que só agora se sentiu à vontade para contar o sucedido, dada a recente vaga de alegações em torno do ator. Noutra ocasião, e no bar onde trabalhava, Nixon foi novamente assediado por Spacey. "Não quis fazer uma cena, ele era um cliente e eu não queria ser despedido", acrescentou Kris Nixon.

Outra pessoa que veio a público na sequência das várias acusações foi um realizador norte-americano, que preferiu permanecer anónimo, de 44 anos, que, com 22, foi assediado por Spacey, que lhe fez massagens e colocou a mão nas coxa. O ator era "muito afável e simpático com toda a gente" mas, certo dia, começou a massajar também o pescoço e os ombros do referido realizador, que se sentiu "incrívelmente desconfortável".

No meio das alegações há ainda uma mulher, Kate Edwards. Em 1986, Spacey tinha 26 anos e Edwards tinha 17. Convidada para uma festa de aniversário em casa do ator, quando chegou lá apenas estava presente a estrela de Hollywood. Os dois beijaram-se, com o consentimento de Edwards, que depois foi para casa quando percebeu que Kevin Spacey queria fazer sexo com ela.

"O que me fizeste e fizeste a outras pessoas é inaceitável. Gostava que soubesses que me magoaste e isso afetou-me nos anos seguintes", disse Kate Edwards à BBC, numa espécie de mensagem direta a Spacey. Depois da situação em 1986, Kate teve uma depressão, ganhou peso e, eventualmente, deixou de trabalhar no espetáculo onde colaborava na altura.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.