Ashton Kutcher e Mila Kunis não vão deixar herança aos filhos

O casal de atores vai doar a fortuna a instituições de caridade

Ashton Kutcher e Mila Kunis não vão deixar dinheiro ou bens aos seus dois filhos, uma vez que querem que estes aprendam o valor do trabalho. Wyatt, de 3 anos, e Dimitri, de 15 meses, não terão direito à fortuna dos pais, uma vez que esta será usada para ajudar quem mais precisa.

Foi o próprio ator quem o revelou durante o podcast do ator Dax Shepard "Armchair Expert". "Não estou a fazer uma poupança para eles", disse Kutcher. "Vamos doar o nosso dinheiro à caridade", acrescentou.

O casal de atores já é conhecido pela educação que dá aos seus filhos, uma vez que o Natal é passado em família, mas sem presentes. Numa entrevista, Mila Kunis já tinha revelado que ela e Kutcher cresceram pobres e que por isso querem que os filhos saibam o valor do trabalho e que sejam eles a ganhar o seu próprio dinheiro, em vez de o herdarem dos pais.

No entanto, na mesma entrevista, Kutcher não descartou a possibilidade de ajudar os dois filhos: "Se quiserem começar um negócio, e tiverem um bom plano, posso fazer um investimento. Mas eles não vão viver de uma herança", afirmou.

O casal ajuda várias instituições de caridade e apoia diferentes causas. Aston Kutcher tem um site, o "Thorn", que luta contra o tráfico sexual, e é conhecido o apoio de Kunis a causas ligadas aos direitos das mulheres.

Assista ao podcast da entrevista:

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."