Ashton Kutcher e Mila Kunis não vão deixar herança aos filhos

O casal de atores vai doar a fortuna a instituições de caridade

Ashton Kutcher e Mila Kunis não vão deixar dinheiro ou bens aos seus dois filhos, uma vez que querem que estes aprendam o valor do trabalho. Wyatt, de 3 anos, e Dimitri, de 15 meses, não terão direito à fortuna dos pais, uma vez que esta será usada para ajudar quem mais precisa.

Foi o próprio ator quem o revelou durante o podcast do ator Dax Shepard "Armchair Expert". "Não estou a fazer uma poupança para eles", disse Kutcher. "Vamos doar o nosso dinheiro à caridade", acrescentou.

O casal de atores já é conhecido pela educação que dá aos seus filhos, uma vez que o Natal é passado em família, mas sem presentes. Numa entrevista, Mila Kunis já tinha revelado que ela e Kutcher cresceram pobres e que por isso querem que os filhos saibam o valor do trabalho e que sejam eles a ganhar o seu próprio dinheiro, em vez de o herdarem dos pais.

No entanto, na mesma entrevista, Kutcher não descartou a possibilidade de ajudar os dois filhos: "Se quiserem começar um negócio, e tiverem um bom plano, posso fazer um investimento. Mas eles não vão viver de uma herança", afirmou.

O casal ajuda várias instituições de caridade e apoia diferentes causas. Aston Kutcher tem um site, o "Thorn", que luta contra o tráfico sexual, e é conhecido o apoio de Kunis a causas ligadas aos direitos das mulheres.

Assista ao podcast da entrevista:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.