Anthony Bourdain: casamento com lutadora de MMA chegou ao fim

Anthony Bourdain e Ottavia Busia separaram-se. O casamento de nove anos do "chef" e apresentador de televisão e da lutadora de MMA chegou ao fim

O chef e apresentador de televisão e a lutadora de mixed martial arts (MMA) Ottavia Busia decidiram colocar um ponto final no casamento de nove anos. Anthony Bourdain, 60 anos e Ottavia, 38, conheceram-se em 2006 e casaram-se um ano depois. Têm uma filha, Ariane, de nove anos.

A notícia foi avançada pela Page Six do New York Post, que adianta que o casal já está separado "há algum tempo". Ottavia não confirmou taxativamente o fim do casamento, declarando apenas: "Por causa das decisões profissionais que tomámos, o meu marido e eu estamos há anos numa relação não-convencional. Nada mudou. Amamo-nos. Respeitamos as decisões um do outro. E sempre nos consideraremos uma família".

Bourdain, a estrela de programas de viagens e gastronomia como Parts Unknow e No Reservations, dedica a maior parte do seu tempo a viajar. Em entrevistas passadas, Ottavia já havia afirmado, em tom de brincadeira, que a única altura em que o marido estava em casa era no Natal.

Pouco convencional é a expressão acertada para definir não só o relacionamento com chef-celebridade mas sobretudo a vida de Ottavia Busia. A lutadora de MMA cresceu numa aldeia da Lombardia, em Itália. Estava a estudar para se tornar dentista quando, em 2000, fugiu para os Estados Unidos com apenas 300 dólares, para acompanhar um músico de rock por quem estava apaixonada. Trabalhou em vários restaurantes em Nova Iorque até chegar a diretora-geral do conceituado restaurante de sushi Geisha. Na altura, o chef do restaurante, Eric Ripert apresentou-lhe Bourdain por achar que fariam o par ideal.

Em agosto passado, numa carta aberta no blogue de Lena Dunham, Lenny Letter, a lutadora de MMA brincava sobre a transformação que o exercício físico teve no seu corpo. "O meu marido costuma dizer, a brincar, que casou com a Sophia Loren e acabou por ficar com o Jean-Claude Van Damme".

Ottavia surge em vários episódios do programa do chef norte-americano e o casal costuma publicar várias imagens um do outro nas redes sociais. Na semana passada, a lutadora de MMA deu os parabéns a Bourdain por ter vencido um galardão na cerimónia dos Creative Arts Emmys. O chef venceu o prémio de Melhor Série Informativa ou Especial pelo programa da CNN 'Anthony Bourdain: Parts Unknown'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.