Dakota Johnson defende nudez e cenas eróticas em cinema

Dakota Johnson defende que a nudez que domina grande parte de "As 50 Sombras de Grey" e "As 50 Sombras Mais Negras" é necessária para contar a história.

A protagonista de As 50 Sombras de Grey prepara-se para regressar às salas de cinema em todo o mundo com As 50 Sombras Mais Negras, sequela do blockbuster de 2015 realizado por James Foley. O filme estreia-se em Portugal a 9 de fevereiro e, tal como o seu antecessor, mostra Dakota Johnson despida de pudores para interpretar, ao lado de Jamie Dornan, algumas - muitas - cenas de sexo.

Em entrevista à imprensa norte-americana, a intérprete de 27 anos defende que a nudez que domina grande parte do(s) filme(s) é necessária para que a história seja contada com todo o realismo. "Não quero ver uma pessoa com roupa interior quando faz cenas de sexo. Vamos ser sinceros: na vida real, as pessoas ficam nuas quando o fazem", argumentou.

A atriz norte-americana confessa não ter qualquer problema em mostrar publicamente o seu corpo. E afiança que, tal como a sua personagem, Anastasia Steele, aprendeu a explorar da melhor forma a sua sexualidade. "Sou fascinada por jovens mulheres que chegam a um acordo com a sua sexualidade. Acho que eu própria também tenho experimentado isso", disse.

"Se vou parar de fazer cenas de nudez quando o meu peito começar a cair? Não sei. Talvez eu tenha uma mentalidade mais europeia sobre essas coisas", acrescentou Johnson.

Para manter a boa forma física - até porque "queria ter boa aparência quando surgisse nua" - a artista faz uma dieta livre de hidratos de carbono e privilegia a fruta e os sumos durante as filmagens.

A completar, a prática de exercício físico, principalmente Pilates. "Agora entendo perfeitamente porque é que as pessoas fazem exercício. Sabe maravilhosamente bem", frisou.

Ainda sobre as cenas eróticas que interpreta, a atriz elogiou o colega e esclareceu que o romance que vivem no cinema não encontrou paralelo fora dele. "O Jamie [Dornan] e eu trabalhamos incrivelmente perto durante muito tempo. Não houve inibições, e foi algo muito honesto, feito com muita confiança. Mas quero dizer que foi uma sorte! E se ele tivesse sido um completo idiota?".

Depois de esta trilogia baseada nos livros da escritora britânica E.L. James estar completa - o último filme, Fifty Shades Freed, está em fase de pós produção e chega aos cinemas em 2018 -, tanto Johnson como Dornan querem dedicar-se a outro género de filmes. O objetivo, explicaram ambos, é mostrarem, com menos nudez e menos sexo, o seu potencial artístico.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG