Cyndi Lauper critica Madonna e elogia Scarlett Johansson

A cantora Cyndi Lauper não gostou da forma como Madonna se dirigiu aos norte-americanos durante a Marcha das Mulheres em Washington.

Calma, mas assertiva. Cyndi Lauper criticou a forma como Madonna se dirigiu aos norte-americanos durante a Marcha das Mulheres em Washington, no pós tomada de posse de Donald Trump. "Estou feliz por ela lá ter estado. Penso, e isto acontece muito quando estamos demasiado embrulhados nas nossas emoções, que não serviu o nosso [das mulheres] propósito", disse a cantora de 63 anos, que nos idos anos 1980 partilhou com Madonna o palco mediático.

"A raiva não é melhor do que a clarividência e a humanidade. É isto que abre a mente das pessoas. Quando queremos fazer isto, temos de contar a nossa verdadeira história, tal como fez Scarlett Johansson, que contou a sua história. Foi clara e eloquente", disse Cyndi Lauper no programa Watch What Happens Live de Andy Cohen.

Ao lado de Rod Stewart, também convidado, a cantora acrescentou que "gritar agita as pessoas, mas não transmite nenhuma humanidade ou nenhuma história que abra" mentalidades. Cyndi Lauper negou ainda qualquer rivalidade com Madonna.

Recorde-se que o discurso da intérprete de Like a Virgin foi um dos mais comentados da Marcha das Mulheres, que aconteceu como protesto à tomada de posse de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos. Uma das frases de Madonna que mais repercussão teve foi aquela em que disse que pensou "fazer explodir a Casa Branca", e que mais tarde explicou ter-se tratado de uma metáfora.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG