Cameron Diaz salvou casamento de Robbie Williams

A atriz norte-americana serviu de conselheira a Robbie Williams, numa altura em que o cantor atravessava uma fase complicada do seu casamento com Ayda Field

Cameron Diaz foi a responsável pela reconciliação de Robbie Williams com Ayda Field, sabe-se agora. Após as primeiras semanas de namoro, em 2006, o cantor britânico terminou o relacionamento para poder dedicar-se aos tratamentos de reabilitação, decisão que deixou a atriz de 37 anos devastada.

"Ele foi para a clínica de reabilitação e eu fiquei devastada. Mas ao mesmo tempo compreendia as suas motivações porque conseguia perceber que ele precisava de ajuda", confessou à revista You antes de expor os seus sentimentos por Robbie: "Eu já o amava nessa altura. Amava-o o suficiente para desejar apenas o seu melhor. Pensava que era um daqueles casos de 'homem certo, momento errado'. Foi muito complicado", explica Ayda Field.

A atriz acrescentou que quando Robbie Williams terminou o tratamento da dependência de álcool, cruzou-se por acaso com Cameron Diaz, que o convenceu a voltar a entrar em contacto com a ex-namorada. "Talvez uns dois anos depois, vi a Cameron a treinar num ginásio. Ainda pensei ir ao pé dela para lhe agradecer, mas ela estava a suar enquanto treinava numa máquina e ia ser muito estranho. Mas graças a ela reconciliámo-nos", contou à revista.

O casal subiu ao altar em 2010 e dois anos mais tarde tiveram a sua primeira filha, Theodora Rose Williams. Já Charlton Valentine Williams, o segundo filho, nasceu em 2014.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.