Douro inundou Porto e Gaia. Depressão Fabien traz mais chuva e vento forte

A Proteção Civil registou desde quarta-feira cerca de 8500 ocorrências devido à passagem da depressão Elsa. A água do rio Douro inundou as margens do Porto e Gaia, um comboio Intercidades descarrilou na Beira Alta e há 80 pessoas desalojadas. Há a registar dois mortos e um desaparecido. Sábado chega a depressão Fabien, em especial ao norte e centro do país, com chuva e vento forte, embora em menor força do que com a Elsa.

Duas pessoas morreram, uma ainda está desaparecida, há 80 desalojados e foram registadas cerca de 8500 ocorrências desde quarta-feira, dia em que a depressão Elsa atingiu o território nacional. Registaram-se quedas de árvores e estruturas e inundações em várias zonas do país, tendo o rio Douro galgado esta sexta-feira as margens e inundando as zonas ribeirinhas de Vila Nova de Gaia e do Porto.

As inundações nas zonas ribeirinhas são agora a maior preocupação. Sobretudo no Rio Douro, seja na Régua ou na zona foz no Porto e Vila Nova de Gaia. A água do rio galou mais de 1,2 metros as margens. Na Praça da Ribeira, no Porto, entrou quase 30 metros, mas a situação está controlada, de acordo com as autoridades, Capitania e Câmara, não se prevendo que a situação piore. Embora durante a madrugada ainda pudesse haver alteração, como disse Pedro Nunes da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC): "As barragens estão a descarregar água para ganhar capacidade de encaixe, para que seja depois possível, 'à posteriori', regularizar todo o leito do rio."

Relativamente à situação no rio Tâmega, o responsável referiu, quer em Amarante, quer em Chaves, o caudal está a baixar "e a situação tende a melhorar de forma muito significativa". Em Águeda, o caudal também baixou e "a situação tende a regularizar", enquanto o Mondego está ainda a ser monitorizado, porque há "alguma preocupação" com os caudais afluentes.

"Em relação ao Tejo, também está numa situação de monitorização, estamos à espera de ver qual é o resultado dos caudais afluentes do rio Tejo", explicou o comandante Pedro Nunes.

De resto, o dia de sexta-feira trouxe um desagravamento da situação de mau tempo, com menos chuva e vento de menor intensidade. Três distritos (Beja, Faro e Setúbal) mantêm-se com aviso laranja até às 06:00 de sábado, devido a agitação marítima, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), enquanto 11 distritos estão sob aviso amarelo por causa de precipitação e/ou agitação marítima.

As buscas pelo homem desaparecido em Castro Daire, quando a máquina que manobrava caiu a um leito de água na sequência de um deslizamento de terras, prosseguem este sábado, após terem sido infrutíferas durante sexta-feira. No país houve várias estradas cortadas, circulação ferroviária interrompida nas linhas do Norte e da Beira Alta, onde houve um descarrilamento, sem causar feridos.

Este sábado a passagem da depressão Fabien irá sentir-se em Portugal, sem que os seus efeitos, prevê o IPMA, sejam tão gravosos como os da Elsa. Há particular atenção ao Norte e Centro, estando previstos intensos períodos de chuva e vento forte de sudoeste, com rajadas que podem atingir 90 km/hora no litoral norte e centro e 120 km/hora nas terras altas. Segundo o IPMA, haverá uma melhoria gradual do estado do tempo a partir de domingo.

Os distritos do Porto, Viana do Castelo, Aveiro, Coimbra e Braga vão estar entre as 21:00 de sábado e as 12:00 de domingo em aviso vermelho, devido à agitação marítima, informou o IPMA, que alerta que durante este período as ondas poderão atingir os 15 metros de altura nestes cinco distritos.

Já a partir das 12:00 e as 24:00 de domingo o aviso nos distritos do Porto, Viana do Castelo, Aveiro, Coimbra e Braga baixa para laranja (o segundo mais grave), perspetivando-se que as ondas possam atingir os 12 metros.

Além destes, estão sob aviso laranja os distritos de Bragança, Guarda, Faro, Vila Real, Setúbal, Lisboa, Leiria, Beja e Castelo Branco.

Para os distritos de Viseu, Évora, Portalegre e Santarém foi colocado um aviso amarelo (o terceiro mais grave).

Acompanhe aqui:

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG