PSP salva idosos de lar ilegal no Estoril

A estimativa da Associação de Lares de Idosos aponta para a existência de mais de 20 mil idosos em lares ilegais, cujo total poderá chegar aos três mil.

O alerta foi dado à PSP pelo INEM a meio desta tarde de quarta-feira. A equipa médica recebera uma chamada a pedir assistência para uma pessoa que se estava a sentir mal naquela morada, em Areias, Estoril. Quando chegou com a ambulância constatou que estavam na vivenda nove idosos acamados e que se tratava de um lar ilegal. As "condições de conforto e higiene eram bastante más", confidenciou ao DN fonte que acompanhou a situação.

Com a PSP já no local confirmou-se que o lar não tinha mesmo licenciamento e que tinha apenas sido comunicado às Finanças o início de atividade. Os agentes policiais da esquadra da Parede contabilizaram nove idosos, um deles entretanto conduzido ao Hospital de Cascais. A situação foi comunicada à Segurança Social e era esperada decisão dos serviços para encaminhar os idosos para uma instituição legalizada.

O DN contactou o Ministério da Segurança Social e o Instituto de Segurança Social (ISS), que tem responsabilidade na fiscalização destes casos, para obter mais informações, mas nenhuma resposta foi possível até ao momento.

Os números oficiais mais recentes do ISS sobre esta atividade ilegal dizem que no ano passado foram encerrados 133 lares que não estavam licenciados. "Os motivos prenderam-se, em geral, com deficiências graves nas condições de salubridade, higiene e conforto dos utentes, incluindo falhas no número e qualificação dos recursos humanos, suscetíveis de pôr em risco os direitos e a qualidade de vida dos utentes, nomeadamente a sua integridade física e psíquica (art.º 35.º do Decreto-Lei n.º 64/2007, de 14 de março)", esclareceu o ISS.

Mas para a Associação de Apoio Domiciliário e Casa de Repouso de Idosos (Ali) estes números pecam por defeito e "escondem a realidade". Em 2013, num levantamento feito a nível nacional com apoio de todos os associados, indicaram que haveria cerca de 20 mil idosos distribuídos por três mil lares ilegais. "Atualmente posso afirmar que não há sinais de que a situação tenha melhorado. Digo isto pela frequência dos contactos dos nossos associados a queixar-se da concorrência ilegal que vai proliferando, sem que exista uma fiscalização eficaz", assinala o presidente da ALI, João Ferreira de Almeida. "A ganância destas pessoas não tem limites", afiança

Este responsável reconhece que existe "falta de alternativas, principalmente para as famílias com poucas posses", mas assinala que parte do problema poderia ser ultrapassado se não houvesse "discriminação" dos lares privados, que cumprem todas as regras. "Porque as instituições de solidariedade social são subsidiadas pelo Estado e os idosos, que ali não têm vaga e procuram os privados, não? É concorrência desleal!", assinala.

Em atualização

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.