Pedreira de Borba. PJ investiga explosões horas antes do acidente

Testemunhas garantem ter ouvido explosões na pedreira onde morreram cinco pessoas. Este sábado deverá ser retirado o último carro que foi arrastado na derrocada

A Polícia Judiciária está a investigar a possibilidade de ter havido detonação de explosivos na pedreira de Borba, onde há quase duas semanas a estrada ruiu causando a morte a cinco pessoas.

A investigação da Polícia Judiciária, segundo o Expresso, tem por base denúncias de testemunhas que garantem ter ouvido, pelo menos, duas detonações horas antes da tragédia. O vereador da Câmara de Borba, Quintino Cordeiro, confirma que várias pessoas dizem ter ouvido as explosões.

O uso de explosivos nas pedreiras é permitido por lei, desde que sejam cumpridas apertadas regras de segurança. Estes materiais são particularmente perigosos nas pedreiras de mármore por poderem causar danos estruturais no maciço.

Em resposta ao Expresso, o Ministério do Ambiente diz que o último parecer favorável da Direção-Geral de Energia e Geologia para o uso de explosivos, emitido a 1 de março do ano passado, "possibilitava a utilização de 75 quilos de pólvora".

Outro fator que está ser tido em conta para explicar o que aconteceu na Estrada Municipal 225 são as chuvas fortes do fim de semana anterior - o acidente deu-se na segunda-feira, 19 de novembro - e também o sismo de 2,1 em Arraiolos, registado pelo Instituto do Mar e da Atmosfera no sábado, ou seja, na antevéspera do acidente.

Último carro encontrado

Na sexta-feira foi localizado o segundo carro arrastado para a pedreira, que deverá ser removido este sábado, faltando ainda recuperar o corpo do Fortunato Ruivo, de 85 anos, ex-militar, que tinha saído do Alandroal onde residia para ir à loja de informática em Vila Viçosa. É a única vítima mortal que ainda não foi retirada do poço.

De manhã, tinha sido retirada a carrinha de caixa aberta onde seguiam os dois cunhados de Bencatel. José Rocha, conhecido por Zé Algarvio, de 53 anos, e o cunhado, Carlos Andrade, de 37. Depois do almoço, Zé Algarvio desafiou o cunhado, que gozava o último dia de férias, a acompanhá-lo à contabilista. Testemunhas dizem que o condutor do carrinha ainda travou mas não foi o suficiente e acabou arrastado pela derrocada. Os corpos foram entregues ao Instituto de Medicina Legal.

Os dois trabalhadores da pedreira que morreram quando a estrada ruiu - Gualdino Pita, de 49 anos, e João Xavier, de 58 - já foram sepultados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...