Patrícia Mamona diz ter sido "tratada de maneira diferente" e barrada à entrada da discoteca Lux

Atleta foi à discoteca lisboeta com amigos e ficou à porta porque não se "enquadrava" no perfil, denunciou no Instagram

Patrícia Mamona, campeã europeia de triplo salto em 2016, recorreu às redes sociais para denunciar ter sido discriminada, juntamente com amigos, à entrada da discoteca Lux Frágil em Lisboa.

A atleta conta que quis entrar com um grupo no espaço de diversão noturna e que todos foram barrados à porta, informados de que não se enquadravam no "perfil" da discoteca.

Mamona escreveu no Instagram que viu entrar "pessoal de chinelos e sem convite" e que foi tratada de "maneira diferente". Considera que a situação foi "triste mas acontece".

"Quando vês pessoal a entrar de chinelos e sem convite mas (ya vou ser simpática) te tratam de maneira diferente pk tu e os teus black friends bem vestidos e tal não se enquadram ao perfil da LUX (edited) triste mas acontece! Enfim....bye NEXTTT", escreveu na página de Instagram.

Nos comentários à publicação, que já conta com quase 2000 gostos, a discussão vai acesa. Enquanto muitos manifestam solidariedade para com Patrícia Mamona, outros referem que a situação não é anormal e que nada tem a ver com questões raciais.

O DN tentou contactar os responsáveis da discoteca Lux Frágil, que remeteu comentários para a tarde desta sexta-feira.

Patrícia Mamona não é a primeira pessoa que se queixa de tratamento diferenciado à porta de uma discoteca. Em 2014, Nélson Évora denunciou no Facebook ter sido alvo de racismo, também em Lisboa, na discoteca Urban.

"Na noite de 19 de Abril os meus amigos fizeram-me uma surpresa e levaram-me para a discoteca Urban Beach. Éramos um grupo de 16 pessoas com mesas pré-reservadas e não é que somos surpreendidos pelos responsáveis daquele espaço público. Porquê? "Demasiados pretos no grupo!!!"", referiu o atleta de triplo salto na altura.

Também na altura, o presidente do Grupo K, Paulo Dâmaso, negou as acusações, tendo referido que foi informado que a acusação não tinha "fundamento", acrescentando que o porteiro naquela noite considerou que "havia uma ou duas pessoas que estavam desenquadradas em termos do ambiente que é normal no Urban Beach", referindo-se à maneira como estariam vestidos. Disse ainda que Nélson Évora nunca apresetou uma reclamação formal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)