O arquivo e uma emissão ao vivo. A TSF vai oferecer "uma prenda ao país"

Nesta sexta-feira a emissão da TSF será transmitida a partir do Cinema São Jorge, aberto ao público. O 31.º aniversário da rádio será assinalado ainda com o lançamento de um site com o arquivo multimédia.

No dia em que comemora 31 anos, a TSF vai estar em direto do Cinema São Jorge, em Lisboa, numa emissão a que qualquer pessoa pode assistir ao vivo, entre as 10.00 e as 17.00. Também amanhã, sexta-feira, entre as 18.00 e as 20.00, vai lançar o site Os Sons da História, que, numa parceria com a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), disponibiliza um arquivo multimédia e interativo com sons e imagens que cruzam a história do mundo e do país nos últimos 30 anos com as emissões da TSF.

Estão lá, em mais de 300 sons, acontecimentos como incêndio no Chiado, a invasão do Kuwait, o buzinão da Ponte 25 de Abril, o processo de independência de Timor-Leste, a queda das Torres Gémeas em Nova Iorque ou o Euro 2004.

"Chegámos à conclusão de que em vez de lançarmos uma revista ou fazermos alguma coisa num suporte físico, melhor seria deixar um documento digital que pudesse ser útil e que no futuro pudesse ser atualizado", explica ao DN o diretor da rádio, Arsénio Reis. "Não é só um documento de consulta e de curiosidade. Pretendíamos que fosse um documento pedagógico, que pudesse servir de consulta para as escolas, sobretudo de comunicação social, que ajude a ler estes últimos 30 anos do país e do mundo. A ideia é que o arquivo vá sendo atualizado."

A emissão da TSF no São Jorge é facilmente reconhecível para aqueles que estão familiarizados com a sua grelha: começa às 10.00 com o Fórum TSF de Manuel Acácio, a partir das 12.00 há Almoço TSF, com o Nuno Domingues, às 14.00 chega o Concerto de Bolso, desta vez com o músico Miguel Araújo, às 15.00 há Bloco Central, com Pedro Marques Lopes, Pedro Adão e Silva e moderação de Anselmo Crespo, e, a partir das 16.00, o Estado do Sítio, apresentado por Ricardo Alexandre.

A partir das 18.00 - numa sessão já restrita a convidados - a apresentação do site Os Sons da História será um diálogo entre o arquivo da TSF e a atualidade, dividida em temas como a justiça, a economia, a comunicação social ou o desporto. Para a comentar estarão a ex-procuradora-geral Joana Marques Vidal, na justiça, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, António Vitorino (em direto de Nova Iorque), diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, e Carlos Andrade, que foi diretor da rádio num dos momentos mais marcantes dos seus 30 anos de existência.

Foi quando a violência em Timor-Leste levou a que, em 1999, durante quase duas semanas, a TSF dedicasse exclusivamente a sua emissão à cobertura do que se passava naquele território. "Basicamente não tínhamos noticiários, aboliram a grelha normal, de todo, para a dedicar inteiramente a Timor", recorda Arsénio Reis.

"Este site pretende ser uma prenda da TSF e da FFMS para o país. A ideia que presidiu a isto foi oferecermos ao país uma espécie de enciclopédia digital do que foi a história do país e do mundo nos últimos 30 anos, assente sobretudo no som e na fotografia", afirma o subdiretor da TSF Anselmo Crespo acerca do site Os Sons da História.

Obama:

Visitando aquele arquivo sonoro, o subdiretor chama a atenção para a cobertura do incêndio do Chiado em 1988. "É a primeira grande emissão em direto da TSF e provavelmente a primeira vez que uma rádio em Portugal faz a cobertura de um acontecimento totalmente em direto. Foi a noite toda em direto." Anselmo Crespo lembra ainda a guerra do Iraque "onde há a célebre história do rapto de jornalistas portugueses, entre eles o Carlos Raleiras [da TSF], ou o Euro 2004 relatado pelo mítico Jorge Perestrelo".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.