Furacão Leslie pode atingir Portugal Continental este sábado à tarde

Madeira e Porto Santo serão atingidos na manhã deste sábado, Centro e Sul de Portugal Continental em alerta máximo a partir das 19.00 deste sábado, mas o pior pode ser na madrugada de domingo

O furacão Leslie pode não só atingir o arquipélago da Madeira como também Portugal Continental na tarde deste sábado. Há ainda muita incerteza em relação à trajetória do Leslie, contudo, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) "as últimas previsões apontam para um desvio da trajetória do furacão Leslie para norte da Madeira, podendo ainda atingir Portugal continental".

As últimas previsões apontam para que a Madeira e o Porto Santo sejam atingidos a partir da manhã deste sábado, com rajadas de vento que não deverão ultrapassar os 90/110 km/h. As ondas podem atingir cinco a sete metros, com altura máxima de 10 a 12 metros, no período entre as 13.00 e as 19.00.

Caso a trajetória esteja correta Portugal Continental pode começar a ser afetado entre as 19.00 e as 22.00 com especial incidência no Centro, Sul e litoral. Em todo o caso o período mais crítico para o território do continente será na madrugada de domingo, entre as 1.00 e as 7.00.

O aviso norte-americano

Para se perceber como o Leslie tem que ser levadio a sério basta dizer que o aviso mais recente vem do Centro Nacional de Furacões (National Hurricane Center - NOOA) , entidade norte-americana que acompanha fenómenos meteorológicos como o Leslie. O NOOA aconselha vivamente as autoridades portuguesas, e também espanholas, a monitorizar com detalhe o progresso da Leslie.

O NOOA afirma que o Leslie passará de furacão a ciclone pós-tropical neste sábado. Quanto mais ele se mover para o interior da Península Ibérica mais fraco ficará até se dissipar, espera-se, até segunda-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?