Avião que aterrou de emergência em Beja ia para Minsk

Aeronave descolou de Alverca, seguia para Minsk na Belorrúsia, e terá ficado sem comandos. NAV confirmou situação de emergência. O Embraer acabou por aterrar em segurança em Beja, à terceira tentativa

O avião que declarou esta tarde emergência já aterrou no Aeroporto de Beja, em segurança. Às 14:40, a aeronave estava a sobrevoar uma zona próxima de Lisboa, confirmou ao DN fonte oficial da NAV, responsável do controlo do tráfego aéreo, mas foi desviada para o Alentejo.

O DN apurou que a aeronave seguia rumo a Minsk, na Bielorrúsia.

Os pilotos tentaram uma primeira aterragem mas sem sucesso. A aeronave conseguiu aterrar pouco depois, à terceira tentativa, depois de uma segunda igualmente falhada.

Antes disso o avião desapareceu da página na internet do Flight Radar, que faz um rastreamento dos voos.

O avião, um Embraer, descolou da pista de Alverca e tinha apenas seis tripulantes a bordo. Vários media adiantavam que se pode tratar de um problema nos instrumentos.

A página na internet do Flight Radar identificava num primeiro momento o voo KZR 1388, da companhia Air Astana (Cazaquistão), a vermelho.

Cerca das 14:50, o avião estava a sobrevoar a zona do Alto Alentejo e era possível ver-se que tem uma trajetória irregular, dirigindo-se para sul.

Dois aviões F16 da Força Aérea Portuguesa descolaram da base área de Monte Real, em Leiria, para fazer o acompanhamento do avião, segundo fonte daquela estrutura militar.

Cerca das 15:00, a mesma fonte da Força Aérea disse à Lusa que os dois F16 já estavam junto do avião a acompanhar o seu voo.

A aeronave da Air Astana fez um circuito aéreo sobre a região do Alentejo para perder combustível até ser tomada uma decisão quanto à resolução do problema.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.