Assunção Cristas foi cozinhar para Cristina. Um arroz de atum para desenrascar

No programa das manhãs da SIC, a presidente do CDS esteve a preparar uma refeição e foi surpreendida com a visita do marido e da filha.

Depois de Marcelo telefonar para Cristina a dar-lhe um beijinho de boa sorte pelo novo programa na SIC, Assunção Cristas foi cozinhar para a estrela das manhãs do canal que ainda mora em Carnaxide. Um arroz de atum, que é fácil, rápido e está sempre à mão para desenrascar uma refeição.

"Assunção cozinheira. Assunção mulher. Assunção na política. Assunção mãe. Assunção." Foi desta forma que Cristina Ferreira, no Programa da Cristina, apresentou a presidente do CDS, durante a emissão e na sua conta do Instagram. Cristas foi de avental, preparada para a refeição. Mas só se apresentou como "desenrascada" na cozinha.

Durante a emissão, Assunção foi surpreendida ainda pela presença do marido, Tiago Graça, e a filha mais nova, Maria da Luz (e o cão da família). "Muitas vezes encontramo-nos às compras no supermercado", revelou a líder do CDS.

A determinada altura, Cristina pegou no telemóvel de Assunção Cristas, que admitiu que o tem sempre ao pé de si. "Veja lá se o Marcelo lhe liga, para si é mais fácil", e riram as duas muito. "Já me ligou em momentos improváveis", acrescentou Cristas.

A presidente do CDS reconheceu que "é exigente" para uma mulher andar na política, porque as mulheres fazem "muitas coisas", "mais do que os homens, eles fazem normalmente um bocadinho menos". Mas Cristas admitiu que, apesar dos filhos, "os filhos são das mulheres e dos homens e por isso todos têm de dar ao litro".

Depois de mais de 26 minutos de conversa, o programa seguiu a emissão em direto de um autocarro expresso de Lisboa para Fátima.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".