Idosos no fim das prioridades da DGS para a vacina contra a covid-19

O primeiro esboço do plano para a vacinação contra a covid-19 coloca os idosos com mais de 65 anos no final da lista dos prioritários, depois de quatro grupos, nos quais se incluem pessoas saudáveis, entre os 60 e os 64 anos.

A proposta preliminar da Direção-Geral da Saúde sobre o plano da vacinação indica que os idosos com mais de 65 anos estão no fim dos grupos prioritários para a vacina contra a covid-19, avança o Expresso.

O plano preliminar foi apresentado por Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, numa reunião do Conselho Nacional de Saúde Pública, realizada na semana passada, e alguns dos 22 peritos presentes manifestaram "indignação", escreve o semanário.

Nesta proposta da vacinação, sugerida por uma comissão técnica, há cinco grupos prioritários para a vacinação contra a covid-19.

Propõe-se que sejam vacinados primeiros os profissionais de saúde, os funcionários de lares e depois as pessoas que tenham entre 50 a 59 anos com fatores de risco, que tenham doenças graves. Surge depois a população com 60 a 64 anos sem comorbilidades.

No fim da lista de prioridades está o grupo de pessoas com mais de 65 anos, noticia o Expresso.

Já o grupo dos idosos com mais de 75 anos, avança a SIC, irá ficar de fora, por enquanto, uma vez que "nem as farmacêuticas nem a Agência Europeia do Medicamento apresentaram evidência suficiente sobre a eficácia da vacina neste grupo etário". O trabalho da comissão técnica para a vacinação vai sendo, no entanto, atualizado à medida que surgirem mais informação.

Dos 4209 óbitos associados à covid-19 desde o início da pandemia, 2834 (67%) tinham mais de 80 anos. O escalão etário anterior (70-79 anos) representa 20% do total de vítimas mortais (850 mortes). Somados, os grupos dos mais velhos representam 87% do total de vidas perdidas devido à covid-19.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG