Conselho de Redação da rádio pública reforça acusações de "deslealdade" ao diretor

O Conselho de Redação da rádio pública demitiu-se por considerar que o diretor de informação omitiu a informação sobre a contratação de jornalistas.

O Conselho de Redação (CR) demissionário da rádio do grupo RTP reforçou as acusações de "deslealdade", esclarecendo que se refere ao diretor, João Paulo Baltazar, e não à direção de informação, segundo um comunicado divulgado esta segunda-feira.

"Desde logo, por uma questão de rigor, o CR não acusa a Direção de Informação, mas sim o Diretor de Informação (DI), de profunda deslealdade", lê-se na nota divulgada à imprensa e que vem reagir a um outro comunicado, da DI, do dia 25 de outubro.

Em causa está aquilo que o CR considera ser uma omissão acerca da contratação de jornalistas, que levou à sua demissão, comunicada no dia 24 de outubro.

"Ninguém esquece a deslealdade que foi a divulgação pública de documentação/correspondência privada entre o DI e o CR, que o DI cometeu", lê-se no comunicado.

O CR adianta ainda que registou "a coincidência do pedido ao Conselho de Administração" para "um reforço suplementar da redação da rádio pública" ter acontecido "um dia depois (23 de outubro)" de o DI ter tido conhecimento, em 22 de outubro, "do plano/proposta feito pelo CR, plano esse que apontava, entre outros aspetos, para um número de jornalistas substancialmente superior ao atual", ironiza o organismo.

Na mesma nota, o CR demissionário refere que "não deixa também de ser curiosa" a referência "à falta de jornalistas" debatida no início do ano "e que apenas no final de outubro, e em véspera de plenário, o DI tenha feito uma proposta ao Conselho de Administração", argumentando que estava a ser ultimado o plano de atividades.

"O DI sabe que, quando ele próprio foi contratado não foi necessário incluir essa contratação num qualquer plano de atividades, e que também não existiu essa necessidade aquando das contratações de jornalistas para a atual Direção de Informação da Televisão", lembra o CR.

O órgão critica ainda a falta de iniciativa do diretor, "relativamente a outros assuntos, como aconteceu recentemente com a questão da gaguez da deputada Joacine Katar".

E garante ainda que face à ausência de resposta do Ministério das Finanças (MF) "ao pedido de autorização, feito no início do ano, para contratação de seis jornalistas, o diretor de informação chegou a incentivar o CR a perguntar ao MF por que é que não havia resposta, como se isso fosse competência do CR".

No dia 24, o CR apresentou a demissão, por considerar que a omissão de informação sobre contratação de jornalistas por parte da Direção de Informação constitui "uma profunda deslealdade em relação ao CR".

Em comunicado enviado, o CR da rádio pública explicou que o pedido de demissão foi apresentado no decurso do plenário que decorreu nesse dia e no qual o diretor de informação para a rádio, João Paulo Baltazar, revelou já ter feito o pedido de contratação de mais jornalistas para reforçar a informação da rádio, algo que não disse ao CR na última reunião em 17 de outubro e que só comunicou passadas duas horas de debate em plenário dedicado a discutir uma proposta de reorganização da redação.

No dia seguinte, a DI recusou "categoricamente a acusação de 'profunda deslealdade em relação ao CR e de desrespeito em relação ao plenário' dos jornalistas da rádio", realizado em 24 de outubro", segundo um comunicado divulgado na altura.

"Como era do conhecimento do CR, sempre foi intenção da DI pedir -- em momento oportuno -- um reforço suplementar de jornalistas, além do pedido feito com caráter de urgência no início do ano para a contratação de seis jornalistas, pedido este que ainda aguarda uma resposta do Ministério das Finanças", esclarece o comunicado da DI.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG