Aeroporto de Lisboa. Passageiros violam medidas restritivas da Direção-Geral de Saúde

Este domingo, perante a impotência das autoridades, passageiros do aeroporto Humberto Delgado violaram as determinações da DGS de distanciamento social e limitação do número de pessoas em espaços públicos

Este domingo, centenas de passageiros aglomeraram-se em espaços públicos no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, violando as regras de prevenção contra o contágio do Covid-19. Dois momentos, documentados pelas imagens que publicamos, confirmadas pela empresa gestora, ANA, mostram uma sala de embarque, pelas 14h e uma enorme fila de check-in pelas nove da manhã. A ANA diz que a situação foi "pontual" e que pediu apoio à PSP.

A situação foi relatada ao DN por fontes policiais, preocupadas com uma alegada falta de intervenção da gestora, das próprias companhias aéreas e também da PSP

A situação foi relatada ao DN por fontes policiais, preocupadas com uma alegada falta de intervenção da gestora, das próprias companhias aéreas e também da PSP, que tem a responsabilidade pela ordem pública naquela infraestrutura por onde passam milhares de pessoas e cujo papel no Plano de Contingência do aeroporto não está definido.

Da parte do SEF, que controla as fronteiras, o presidente do Sindicato da Carreira de Inspeção e Fiscalização (SCIF), afiança que, neste aeroporto, "não se estão a tomar medidas restritivas de ajuntamentos e distância de segurança entre passageiros". Acácio Pereira sublinha que "isso implicava o espaçamento de voos, o que não está a acontecer. Apesar de ter havido uma redução de cerca de 30% de voos ainda assim numa manha chegam entre 17 a 22 voos internacionais pouco espaçados".

Confrontada com a situação, a Direção-Geral de Saúde (DGS) questionou a "autoridade de saúde aeroportuária", que fiscaliza o cumprimento das medidas. "O que nos foi dito é que se tratou de uma situação temporária e que foram tomadas medidas para que não volte a acontecer", garantiu a porta-voz oficial.

A ANA também coloca as imagens num plano "pontual" e que "a todo o momento os funcionários do aeroporto e a PSP intervêm". Neste domingo em particular, assegura fonte oficial da gestora, "foi pedido apoio à PSP, que esteve no local a apelar aos passageiros". A empresa sublinha que tem "avisos colocados na aerogare e, através das suas equipas do aeroporto, comunica as recomendações da DGS aos passageiros, incluindo o respeito pela distância mínima entre as pessoas, pedindo a colaboração cívica dos passageiros e das pessoas que se encontram nas áreas públicas".

Por seu lado, o porta-voz da direção nacional da PSP, que não quis comentar esta situação específica nem o pedido de apoio que a ANA diz ter feito, refere que "só pontualmente se juntaram mais passageiros e que a PSP desempenhou as suas funções normais. Entre outros, a sensibilização das pessoas para evitar ajuntamentos / proximidades".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG