Mais 223 casos e 16 mortes nas últimas 24 horas

Os dados do último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde apontam agora para 29432 casos confirmados e 1247 mortes por covid-19 no país.

Segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), desta terça-feira (19 de maio), no total, há agora no país 29432 infetados e 1247 vítimas mortais. Há 6431 doentes recuperados - mais um do que ontem.

São mais 16 mortes e mais 223 casos confirmados do que na segunda-feira, um aumento de 0,8 por cento.

Na conferência de imprensa diária da DGS, o secretário de Estado da saúde, Lacerda Sales disse que a taxa de letalidade do vírus em Portugal é de 4,2%. "A taxa de letalidade acima dos 70 anos é de 15,9%", acrescentou.

Portugal realizou uma média de 13 mil testes diários de 1 a 17 de maio. No dia 15 de maio realizaram-se 19 mil testes, disse ainda Lacerda Sales.

Na segunda-feira, o número de doentes recuperados de covid-19 atingiu um novo recorde: mais 1794, um aumento de 38,7% em relação ao dia de domingo.

Há ainda 2349 pessoas que aguardam o resultado do teste laboratorial à doença.

São 266720 os casos não confirmados de covid-19. Existem também 25487 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Desde o início da pandemia, Portugal registou 298501 casos suspeitos.

Há 629 doentes internados e destes 101 encontram-se em unidades de cuidados intensivos. A recuperar em casa estão 21.125 pessoas.

A região Norte é a que tem mais casos confirmados da doença - 16 472 - e regista 707 óbitos, também o numero mais elevado do país, o Centro regista 3 644 casos e 227 mortes, na região de Lisboa e Vale do Tejo os casos confirmados são hoje 8490 e registam-se 282 mortes por covid-19.

O Alentejo regista há vários dias uma única vítima mortal do novo coronavírus e 245 casos da doença.

O Algarve regista 356 casos confirmados e 15 óbitos.

Os Açores registam 135 casos de covid-19 e a Madeira contabiliza 90 casos confirmados, de acordo com o boletim hoje divulgado.

Segundo os dados da Direção-Geral da Saúde, do total de infetados, 17.228 são mulheres e 12.204 homens. Das vítimas mortais, 640 são mulheres e 607 são homens.

Das mortes registadas, 838 tinham mais de 80 anos, 243 tinham entre os 70 e os 79 anos, 112 tinham entre os 60 e 69 anos, 40 entre 50 e 59, 13 entre os 40 e os 49 e um dos doentes tinha entre 20 e 29 anos.

Lisboa com o maior número de casos de infeção: 2018

Os dados da DGS precisam que o concelho de Lisboa é o que regista o maior número de casos de infeção pelo novo coronavírus (2.018), seguido por Vila Nova de Gaia (1.510), Porto (1.326) Matosinhos (1.242), Braga (1.173) e Gondomar (1.058).

A faixa etária mais afetada pela doença é a dos 50 aos 59 anos (4.963), seguida da faixa dos 40 aos 49 anos (4.960) e das pessoas com mais de 80 anos (4.369 casos).

Há ainda 4.313 doentes com idades entre 30 e 39 anos, 3.666 entre os 20 e os 29 anos, 3.271 entre os 60 e 69 anos e 2.430 com idades entre 70 e 79 anos.

A DGS regista também 531 casos de crianças até aos nove anos e 929 de jovens com idades entre os 10 e os 19 anos.

De acordo com a DGS, 41% dos doentes positivos ao novo coronavírus apresentam como sintomas tosse, 29% febre, 21% dores musculares, 19% cefaleia, 15% fraqueza generalizada e 12% dificuldade respiratória. Esta informação refere-se a 90% dos casos confirmados.

Bebés positivos e sem sintomas podem ir para casa com a mãe

Esta terça-feira, a Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu uma orientação sobre os cuidados a prestar ao recém-nascido na maternidade, em contexto de pandemia.

De acordo com o documento, o recém-nascido de uma mãe infetada com o novo coronavírus deve ser testado, sendo recomendado que o teste seja feito nas primeiras 24 horas após o nascimento.

Masas mães infetadas com covid-19, e apesar dos benefícios do contacto pele a pele, recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), podem optar por não o fazer,é uma das orientações.

O documento estabelece ainda orientações também para a altura do parto.

"Quando a mãe é um caso confirmado ou suspeito de SARS-CoV-2, o parto deve ocorrer num bloco de partos dedicado a casos suspeitos ou confirmados de covid-19 e só deverão estar presentes os elementos estritamente necessários", esclarece a DGS..

Primeiros dois casos de covid-19 em prisões portuguesas

Esta terça-feira foi também o dia em que foram detetados os primeiros dois casos de infeções por covid-19 em prisões portuguesas.

Trata-se de dois reclusos que tinham saído em precária, uma visita de curta duração.

Os casos foram detetados na cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre, e em Pinheiro da Cruz.

O caso de Vale de Judeus foi detetado a 9 de maio e o recluso esteve em contacto com outros dois, que já foram testados mas ainda não não conhecem os resultados, segundo a Direção-Geral dos Serviços Prisionais.

Segundo a RTP, os presos quando regressam à prisão têm de cumprir quarentena e foi durante este período que foi testado e deu positivo à doença.

Os dois reclusos já estão em isolamento.

Pandemia já matou 318 mil e infetou mais de 4,8 milhões no mundo

A pandemia do novo coronavírus já matou pelo menos 318 517 pessoas e infetou mais de 4,8 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP, às 11.00 desta terça-feira, baseado em dados oficiais.

De acordo com os dados recolhidos pela agência de notícias francesa, já morreram pelo menos 318 517 pessoas e há mais de 4 816 040 infetados em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan.

A AFP alerta que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do total real de infeções, já que um grande número de países está a testar apenas os casos que requerem tratamento hospitalar.

Entre esses casos, pelo menos 1 755 700 foram considerados curados.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG