A torneira e o homem do manual de instruções do IKEA

"Não tens um amigo que possa ajudar?" A pergunta foi feita pela minha mãe quando lhe disse que ia montar sozinha a torneira da cozinha que tinha acabado de comprar na IKEA. "Está a funcionar? Não está a pingar?", perguntaram alguns amigos (e amigas) depois de (spoiler alert) a ter montado sozinha. E sem estragar o verniz das unhas.

A ideia de que uma mulher possa querer pegar nas ferramentas para fazer alguma obra em casa ainda é algo que causa estranheza - até em outras mulheres. Ainda para mais para fazer um trabalho que envolve canalização, algo que até para os homens pode parecer complicado. Mas se não conheço um canalizador e quero poupar dinheiro ao não contratar um, porque é que um amigo sem experiência podia mais facilmente seguir as instruções da IKEA do que eu? Será porque o boneco que lá vem a enumerar os três passos (sim, só são precisos três passos para montar uma torneira) é um homem?

Bom, na realidade, em duas imagens, esse boneco está claramente confuso a ler o manual e tem que telefonar a pedir apoio, o que não abona a favor do sexo masculino. Um estudo de 2009 com base em dados da Gadget Helpline revelou que, no que diz respeito a produtos eletrónicos, mais de 64% dos homens britânicos que ligaram para o apoio técnico nem sequer tinham aberto o manual de instruções, enquanto no caso das mulher só 24% o faziam. Se calhar ficaria mais bem servida com a ajuda de outra amiga.

A IKEA nasceu nos anos 1970 na Suécia e espalhou-se pelos quatro cantos do mundo, chegando a Portugal em 2004. Os seus manuais de instruções são famosos, tendo ganho em 2015 o prémio Paul Mijksenaar de Design for Function. A presença de um boneco do sexo masculino no manual só serve para reforçar estereótipos de género, quando na realidade até era perfeitamente irrelevante para as instruções. No final, sejam homens ou mulheres, há quem consegue seguir sem dificuldade as instruções de montagem e quem tenha uma dor de cabeça (ou simplesmente não tenha paciência) para aquelas figuras a preto e branco.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.