Os anestesistas

1 É um bando de desprezíveis, embora também atuem a solo. Infiltrados, zombies de ar normalíssimo, gente como nós, que se misturam, que se confundem, que se fundem, perdem-se no meio da multidão.

Têm um aspeto natural e trabalham ao nosso lado. Alguns acima, porque subiram a chefes, vá-se lá saber porquê, pois nunca se atravessaram por nada ou arriscaram por quem quer que fosse - ou talvez tenha sido exatamente por isso, seja essa a razão pela qual foram promovidos.

Um dia perguntei a um gestor veterano a razão da sua longevidade naquela empresa. Várias vezes presidente, depois administrador, novamente presidente, na forma de CEO ou de chairman. Não interessa, o importante é que tudo tinha mudado, anos a fio, mandatos sucessivos, menos ele.

Respondeu com uma metáfora: estacionamos o carro na garagem, queremos ir até ao topo, o elevador vai parando e vai enchendo, às tantas fica apertado; basta ficar quieto, porque se mexe um pé pisa alguém. E as pessoas vão saindo, segundo andar, terceiro, sexto, e todos já saíram, quando percebe que só ele chegou ao andar da administração.

Confesso que fiquei chocado com tamanha sinceridade: para chegar lá acima, basta ficar quieto. Tanto melhor quanto menos notarem que existem. É a categoria dos invisíveis.

Não é destes que falo, são uma espécie abundante mas há pior. Pior até do que os pessimistas, porque o pessimismo gera uma categoria de animais à parte.

Os pessimistas são apenas uns maçadores. Ou, como Medina Carreira poderia definir, os pessimistas não são o contrário dos otimistas. Os otimistas são apenas a raça inferior dos pessimistas mal informados.

2 Insisto: há piores. Conseguem ser mais repugnantes do que os cobardes. Esses mesmo, os que sobem à custa de não se mexerem. A cobardia é apenas execrável. Estes não, estes são até mais perigosos do que os malfeitores, porque são mais dissimulados.

A verdadeira ameaça que representam para a comunidade é a sua aparência inofensiva. De tão normais e inodoros, não assustam ninguém, nem se dá conta da sua presença, mas a sua capacidade destruidora é tão eficaz quanto terrível.

Há uma forma rápida de os reconhecer - dizem logo que não. Não dá. Não é possível. Não vai funcionar. Não conseguimos. Não. Não. Não. Também nada lhes acontece, porque a nossa sociedade está organizada de tal maneira que só estimula quem diz não.

Não conheço ninguém que tenha tido problemas por ter recusado um pedido, chumbado um projeto ou dado um parecer negativo no despacho remetido para o nível superior. Na administração pública, na política, nas empresas, só se trama quem viabiliza.

Portugal só castiga os que dizem sim. Na dúvida, diz-se não. E os negativistas rapidamente se transformam em anestesistas. É desta praga que vos estou a falar. Dos anestesistas. Há-os por todo o lado.

Nas empresas. Nas escolas. Nos partidos. Nas famílias. Nos clubes. Nas profissões de fé. Gente sem fé, que nos corta as pernas, um golpe na raiz e lá se vai a fezada.

Não se aproxime com uma ideia nova, pode até ser revolucionária, algo inédito e nunca visto, espetacular, mas que entusiasmo! E toma...injeção no braço, lá se vai a energia, o desembaraço. Se é novo, não vai funcionar.

Há quem resista à primeira picada e insista: e porque não se experimenta? Se ninguém experimentou é porque não presta. E ser for bom? Pode ser, mas então é inalcançável. Nada do que presta, que funcione ou seja bom terá sido feito para nós.

3 Os anestesistas da nossa empresa, do nosso departamento, das nossas famílias, multiplicam-se em ambientes húmidos e quentes. Vivem no quentinho, com aversão ao risco. Rodeiam-se de pessoas com medo, por definição ninguém assume responsabilidades.

Não fazer. Não arriscar. Não ousar. Não respira. Está motivado? Injeção no braço e volta para o seu lugar. Os anestesistas ocupam os seus postos, o seu estado natural é parado (e aqui são só cobardes) mas a sua missão é sobretudo viver para neutralizar os movimentos dos outros.

O ecossistema próprio é o pântano. É aqui que crescem e se reproduzem. E daqui saem de seringa em punho, anestésico contra a motivação, o torpor na vez do motor, a indiferença que acaba na desistência - o último estágio do estado de dormência.

Quem não os tem? Quem não os viu? Quem não leu um texto por eles escrito? Quem não lhes resiste ou luta contra eles? Os anestesistas são invejosos. Os anestesistas são perigosos. São medíocres os anestesistas, que se sentam na cadeira do lado, vestem a pele do burocrata entorpecente, do juiz paralisante ou do tributário asfixiante.

Concordei antes de os conhecer. Não são os invejosos o maior dos males. Não é o mau-olhado que apaga o rasto do entusiasmo. Não é a cobiça, menos ainda a preguiça que mata a iniciativa.

É o anestesista o cântico negro. O diretor, o administrador, o pregador, o plebeu e o régio. Todos tiveram pai, todos tiveram mãe. Sei que não vou por aí. O diabo é quando se lhes pergunta "então por onde vou?".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?