Esvaziaram o porquinho

1-Poupança negativa. A Joana Mateus publicou no último Expresso um artigo histórico. A poupança das famílias portuguesas é negativa! Nunca tinha acontecido, pelo menos desde que existem estatísticas do INE, numa série com mais de 40 anos. Há uma leitura imediata deste fenómeno: os portugueses depois de receberem salários, pensões, rendas, juros ou outros rendimentos, depois de pagarem impostos e contribuições sociais, ficam com um orçamento disponível que não cobre as suas despesas de consumo.

Já diabolizei as extravagâncias passadas. Alinhei na lengalenga do "viver acima das nossas possibilidades". Antevia a insustentabilidade do consumismo. E, com as mínimas noções de economia que trazia do curso de Economia, escrevia textos, editoriais em diários de economia alertando para o inevitável estoiro que acabaria por vir. Como veio.

Não me rendo às evidências. Como não entrego nem o corpo nem a alma à insanidade. Mas algo acontece quando a leviandade coletiva se dá. Não há moralismo, da mesma forma que não procuro pecadores. Ou encontro-os noutro lado. Uma população não se suicida quando derrete o que tem e se endivida para ter aquilo que não pode. Limita-se a responder a estímulos. Reage a impulsos, com uma racionalidade que é contrária à própria razão.

Portugal transformou-se um país de proprietários porque a lei de arrendamento urbano era anacrónica. E os juros, com a união monetária europeia, estavam a descer para níveis historicamente baixos - o que tornava a prestação mensal ao banco muito mais acessível do que a renda da casa. O crédito hipotecário explodia, a taxa de poupança nacional caia para metade, 10% do PIB. Anos 90, ninguém nos travava. Mas havia o pântano de Guterres, depois a tanga de Barroso.

Sempre a mesma tanga! E aqueles portugueses que adquiriram património imobiliário com crédito associado, que são milhões, estão a celebrar nos últimos anos o súbito regresso a uma política de juros rasos. Novamente, é racional: paga-se menos. Novamente, é uma desgraça.

A política de juros zero está a rebentar com as poupanças das últimas gerações. Para salvar, em primeiro lugar o Estado, depois os bancos. Estamos com juros zero, destruindo progresso futuro para salvar instituições. Volto a dizer: primeiro os Estados, que gerem dívidas públicas colossais; depois os bancos, presos por pinças num Banco Central Europeu que os mantêm vivos com doses cavalares de morfina a que insistem chamar de política monetária.

2-Bancos zombies. Matam a poupança dos países sem a certeza de que os bancos se salvam. A revista The Economist colocava a banca italiana à beira de um precipício, numa das suas últimas capas. Nada de pessimismo, catastrofismo ou bruxaria: contas, balanços e modelos de negócio ultrapassados. Ao contrário de irlandeses, e em certa medida dos espanhóis, Itália e Portugal não limparam o sistema financeiro. Juros rasos, bancos de rastos.

Não há Novo Banco que resista a isto. Nem velho, como a Caixa Geral de Depósitos, que além da adversidade dos tempos ainda tem o governo. Este governo, que nomeou uma administração, anunciou uma recapitalização, com ela uma reestruturação. O Estado tem um banco e isso poderia ser bom. O banco tem uma administração, que não é boa nem má porque ainda não assumiu. E este banco está parado há mais de seis meses, o que nem é bom nem mau - é péssimo. Chega até a ser incompreensível: como é que quer a geringonça reanimar a economia se o principal banco do sistema está, há meses a fio, sem direção, nem rumo, nem orientação.

3-Equação do sistema. Portanto, o sistema vive então assim: o Estado não tem economia, por isso revê em baixa o PIB; mas tem um banco, que é fundamental para a retoma, mas está desgovernado e anda à toa e à tona; a economia precisa de investimento para crescer, mas o investimento não existe porque as famílias deixaram de poupar; os bancos, que impulsionam o crescimento económico, precisam de depósitos que as famílias não fazem, porque estão a comprar carros à espera que o rendimento suba; os rendimentos vão melhorar porque o governo prometeu; mas para que isso aconteça, é preciso PIB que não está a corresponder.

E, assim, enquanto resolve esta equação, o comandante-em-chefe da geringonça reedita os cofres cheios, responde às sanções e fala grosso e claro: qual-Plano B-qual-carapuça!

4- A questão relativa. Terroristas de Nice. Golpistas de Istambul. Campeões em Portugal. Se há coisas graves que nos chocam, se acontecimentos imprevisíveis nos perturbam, se temos heróis que nos agradam e surpreendem, qual é o problema da poupança dos nossos avós para os nossos pais, dos nossos pais para nós próprios estar agora a desaparecer?

Por uma vez, acredito incondicionalmente neste primeiro-ministro: não deve mesmo haver Plano B. Só o salve-se quem puder.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.