Como mostrar aos filhos que pensamos sempre neles

Devido à separação parental ou divórcio, muitas crianças são privadas de um convívio regular com um dos pais. Chegadas as férias de verão, a probabilidade de estes contactos ocorrerem com um espaçamento que excede aquilo que é aconselhável, em função da idade e nível de desenvolvimento da criança, é ainda maior.

As crianças mais novas têm uma noção de tempo ainda muito limitada. Com cerca de 3 anos de idade conseguem perceber o conceito de "hoje" e "amanhã" e, mais perto dos 5 anos, começam a entender o "depois de amanhã". Uma noção de tempo semelhante à do adulto é alcançada, de uma forma geral, cerca dos 7 ou 8 anos de idade. Assim, estar afastada de um dos pais uma semana ou uma quinzena, por exemplo, pode exceder a sua capacidade de compreensão e gerar alguma ansiedade.

Especialmente para os pais de crianças mais pequenas, sugiro então uma atividade muito simples e eficaz (Baseada na sugestão de Ricci, I. (2004). Casa da mãe, casa do pai. Lisboa: Edições Sílabo.)

Arranje um pequeno baú de madeira ou um saco de pano e, em conjunto com a criança, decore-o. Podem pintá-lo, fazer desenhos ou colagens. O que interessa é que fique personalizado e especial. De seguida, deem um nome a este baú. "Caixa Penso em Ti", "Baú dos Tesouros" ou "Saco cheio de Magia" são apenas alguns dos nomes que já ouvi. Escolham o vosso!

Ora, e para que serve este baú?

O pai ou mãe que estiver afastado da criança deve levar o baú consigo e nele colocar pequenas coisas que simbolizem o facto de ter pensado na criança, mesmo longe. Mas atenção, não devem ser colocadas prendas nem doces, mas sim pequenos objetos. Por exemplo, uma concha que apanhou na praia, uma folha de outono caída no parque ou um guardanapo de café onde fez um desenho. Porque a mensagem "penso sempre em ti" ou "mesmo longe estás sempre no meu coração" pode ser demasiado abstrata para crianças mais novas.

Quando pais e filhos se reencontram, é chegada a hora de abrir a caixa. Que surpresas guardará? Quais as memórias que nela encerra?

Ao descobrirem juntos os tesouros guardados na caixa, há uma importante mensagem que é transmitida à criança. "Penso em ti quando nos vemos ou falamos ao telefone e também nas mais pequenas coisas e atividades do dia-a-dia, quando passeio na praia ou no parque ou quando bebo um café".

Abrirem juntos esta caixa torna-se um ritual familiar. Gera emoções positivas, fortalece os vínculos afetivos e, não raramente, leva a que também a criança deseje ter a sua própria caixa, que recheia de coisas preciosas.

Vamos experimentar?

No meu canal de Youtube falo sobre diversos temas com vídeos dirigidos a crianças e jovens, às famílias e aos profissionais. Espero por todos!

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG