As "surpresas" China, Turquia e Brasil

O ritmo mais elevado de crescimento desde 2011 poderá acontecer em 2018 e 2019. Uma boa notícia para todos os países, já que a previsão é da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e refere-se à economia global. O otimismo reina na instituição que estima que a economia global cresça 3,9% em 2018 e 2019. No Economic Outlook, a atualização intercalar das previsões económicas, divulgada ainda ontem, a OCDE diz que "a economia mundial vai continuar a fortalecer-se nos próximos dois anos, com o crescimento do produto interno bruto (PIB) global a alcançar quase 4% em 2018 e 2019". A instituição refere que um investimento mais forte, uma recuperação no comércio global e mais emprego estão a tornar a "recuperação cada vez mais ampla".

Em resposta à política comercial de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, que na quinta-feira anunciou que iria impor, dentro de dias, taxas de 10% e 25% sobre a importação de alumínio e de aço, respetivamente, a conceituada organização sublinha e defende que salvaguardar as regras que sustentam o sistema de comércio internacional "vai ajudar a suportar o crescimento económico e de empregos", afirmando que os governos devem evitar o agravamento e depender de "soluções globais" na indústria de aço. Recados bem explícitos a Mr. Trump!

E afinal quem se destaca entre as economias que mais crescem? As chamadas "surpresas de crescimento" previstas para este ano estão na zona euro (que deverá crescer 2,3%), mas também na China (6,7%), na Turquia (5,3%) e no Brasil (2,2%). Boas notícias para os mercados com os quais Portugal se relaciona e alguns destinos até falam a mesma língua da economia. Noutros países, como o México e a África do Sul , mas também os Estados Unidos, a Alemanha e a França, a instituição projeta que o crescimento seja significativamente mais robusto que o antecipado antes. Ou seja, segue a tendência das revisões em alta.

Como se explicam crescimentos em mercados maduros como a Alemanha e os Estados Unidos? Segundo a instituição, que é liderada por Ángel Gurría, as novas reduções de impostos e aumento de despesa nos Estados Unidos dão uma forte ajuda para que justifique uma revisão em alta e os estímulos fiscais adicionais na Alemanha são "fatores-chave" que justificam números mais positivos para o país de Angela Merkel. Valerá a pena tomar nota do que fazem os outros para que também nós, em Portugal, possamos aprender a crescer mais. Como está não chega.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.