A Alexa chegou a Portugal. Mas não é fácil encontrá-la!

A Amazon começou (finalmente) a vender as suas colunas "inteligentes" Echo para Portugal. O gigante norte-americano expandiu a sua oferta para 80 novos países, o nosso incluído, e com isso chega cá a assistente digital Alexa e o serviço Music Unlimited. Mas não é nada fácil descobrir como consegui-los. Esta foi a minha (longa) história:

Uma simples busca no site britânico (Amazon.co.uk) ou americano (Amazon.com) mostra-nos as Echo com a indicação de que "estes itens não podem ser enviados para a sua região". Lembrando-me de que a maior loja online do mundo tem ultimamente tratado os clientes portugueses como se fossem espanhóis - incluindo estarem com uma campanha de portes gratuitos para Portugal em compras feitas em Amazon.es -, procurei pela Alexa neste site. Em vão.

Regressei ao Amazon.com - de onde vêm os leitores de e-books Kindle, pelo que achei que fosse natural as Echo poderem ser encomendadas de lá. E finalmente deparei com a busca "Echo international version". Voilà! Sou finalmente redirecionado para uma página em que me são mostradas as colunas em versão internacional. "Ufa, que labirinto", pensei eu, na minha ingenuidade.

É que o puzzle ainda não estava completo. Ao selecionar que pretendo encomendar o item para Portugal, surge-me a indicação de que, nesse caso, a encomenda deveria ser realizada no site alemão, Amazon.de. E é-me mostrado um link.

Inspiro fundo e clico, esperando ir "aterrar" na página da coluna Echo que estava a consultar - a mais barata, a Dot.

Pois... não. Sou encaminhado para a página de entrada da loja alemã, que só não me aparece na língua germânica porque algures na história configurei-a para ser automaticamente traduzida para inglês.

Persevero. Repito a busca "Amazon Echo Dot" e vou parar à página do produto... para a Alemanha. "Este item não pode ser vendido para Portugal", dizem-me novamente, em letras vermelhas. WTF!?

Finalmente, faz-se luz. A busca tem de incluir "international version" (ou algo equivalente) para finalmente chegar onde é preciso.

(Caro leitor, se teve paciência para chegar até aqui será porque está interessado num destes gadgets. Siga este link)

A página dos produtos até está bem construída. No topo estão os três altifalantes disponíveis - o Dot (60 euros), o Echo (100 euros) e o Plus (150 euros) - e no fim estão os serviços disponíveis para cada país.

Ficamos a saber que em Portugal a Alexa fala inglês do Reino Unido e que o serviço Music Unlimited também só está disponível neste idioma. O serviço de chamadas e mensagens entre dispositivos estará apenas a funcionar "em breve", mas o acesso às listas de compras, compromissos agendados, notícias e informações sobre o tempo já estará ligado. Por fim, a integração com serviços domésticos "inteligentes", como as lâmpadas que mudam de cor Philips Hue, por exemplo, também supostamente já vem a trabalhar.

Vale a pena ir a correr fazer a encomenda? Como quase tudo na vida, depende. Se é daquele tipo de pessoas que lida com o inglês com facilidade, gosta de ter as mais recentes novidades tecnológicas e tem gosto em sentir que está entre os primeiros seres humanos a viver o futuro, dificilmente vai querer passar ao lado da Alexa.

Isto depois de a encontrar...

Para todos os outros, e porque estamos em época de Natal, este pode bem ser um ótimo presente para dar àquela pessoa que, além de cumprir os requisitos anteriores, aparentemente já tem tudo...

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.