Não são rimas, são direitos

No rescaldo das comemorações do 25 de Abril, António Costa sentiu necessidade de defender as instituições europeias: "Ninguém consegue conceber a democracia e a liberdade em Portugal fora do quadro da União Europeia." Em causa está a resposta à deputada do Bloco de Esquerda Isabel Pires, que afirmou que "Abril nunca rimou com Eurogrupo". Reconhecendo mérito na crítica fonética da deputada, rejeita a crítica política indicando que "Eurogrupo não rima com liberdade mas fortalece a liberdade". Estou em desacordo com essas afirmações.

O Eurogrupo foi o parteiro do programa da troika que atacou Portugal no governo PSD-CDS. Em todas as revisões desse programa, em que era pedido sempre mais, era no palco do Eurogrupo que os direitos do nosso povo eram espezinhados. Curiosamente, o agora devoto António Costa, foi quem iniciou uma governação em 2015 que procurava escapar da opressão do Eurogrupo.

A decisão de aumento do salário mínimo, o Orçamento do Estado para 2016 e o reforço de verbas para apoios sociais que continha, a eliminação dos cortes salariais na administração pública, a reposição dos feriados roubados, todas estas escolhas foram colocadas em causa pelo Eurogrupo. Foi no confronto com a agenda europeia da austeridade que mostramos a nossa liberdade e materializamos essas políticas, garantindo o crescimento económico que agora existe.

A Constituição da República Portuguesa, pedra em que se inscreveram os direitos conquistados em Abril de 74, foi violentamente atacada pelo Eurogrupo. Os seus súbditos PSD e CDS colecionaram vetos do Tribunal Constitucional a orçamentos do Estado. Da parte das instituições europeias vinha a vontade de dinamitar essa pedra fundamental com a vertigem austeritária. A estabilidade constitucional que o governo agora apregoa foi conquistada à tirania do Eurogrupo.

E se o passado recente da relação do Eurogrupo com Portugal quase parece cadastro, porque quer o primeiro-ministro reescrever a história? Agora é Mário Centeno o presidente do Eurogrupo e é isso que António Costa pretende defender.

A questão de fundo é que não estamos a discutir a presidência do Eurogrupo, mas sim a sua orientação política e a sua função institucional. Aquele é um grupo informal que serve para impor o cumprimento dos tratados europeus. Ora, esses são os mesmos tratados que têm atacado os direitos dos povos, que garantem a sangria dos recursos do país para a sede dos mercados financeiros, rejeitando a defesa dos serviços públicos. Pode alguém ser quem não é? O Eurogrupo não, independentemente de quem seja o seu presidente.

A proteção de António Costa a Mário Centeno não parece ser conjuntural, é o regresso do PS a uma visão que parecia ter desaparecido em 2015. Basta lermos o que escreveu recentemente Augusto Santos Silva, afirmando que o caminho da social-democracia "pensado a partir de Portugal exige mais, não menos, vinculação à União Europeia e aos seus processos de debate e decisão".

Quando Mário Centeno faz uma execução orçamental de 2017 em que duplica as metas de Bruxelas no saldo estrutural, mantendo o investimento público nas ruas da amargura, percebemos que isso faz parte da maior vinculação à União Europeia que Santos Silva escreve. Quando o governo recusa investir a folga orçamental - criada pelo crescimento económico - no Serviço Nacional de Saúde, sabemos que é a vontade de mostrar serviço a Bruxelas.

Ora, este caminho é uma dupla traição do PS ao que o próprio PS tinha prometido ao seu eleitorado. Prometeu que conseguiria fazer uma interpretação inteligente dos tratados e defender os serviços públicos, mas como essa conciliação é impossível prefere dar prioridade aos tratados ficando os serviços públicos em agonia. Criticou PSD e CDS por irem além da troika e agora quer ir além de Bruxelas.

Mas é, acima de tudo, o regresso ao equívoco ideológico da "terceira via". Santos Silva desespera para resgatar a sua atualidade, António Costa submete-se a essa visão. Querem ignorar a realidade e rejeitam aprender com a história: hoje percebe-se que foi esse caminho centrista que levou os partidos socialistas à escala europeia ao fade out recente. O que deu ao PS "imunidade à crise na família" foi a realização de acordos à esquerda que tiveram uma influência fundamental na governação. De outra forma, o caminho estava traçado e não era risonho.

Sabemos o que rima com Eurogrupo, saberá o PS em que verso encaixa. Dizia Manuel Alegre que não há "Liberdade sem igualdade". Acrescento eu que não há igualdade sem serviços públicos de qualidade, na saúde e na educação. É por isso que o Eurogrupo ataca a nossa liberdade.

Líder parlamentar do Bloco de Esquerda

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.