Um estrangeiro em Washington

Na próxima segunda-feira vou juntar-me no salão nobre da Reitoria da Universidade de Lisboa a mais de duas dezenas de especialistas em questões americanas, na conferência organizada pelo professor Eduardo Paz Ferreira, com o provocador título - "O último ano de Trump?".

Julgo que me foi dado este ano esse privilégio porque tive a oportunidade de viver os últimos dois anos a política americana no mesmo fuso horário da Casa Branca e ver os EUA a partir de uma vida quotidiana, algum turismo e consumo dos media locais.

Ao preparar-me para o que vou dizer senti vontade de partilhar algumas impressões sobre o que um estrangeiro em Washington pode captar da política dos EUA.

Aqui o zapping desfaz qualquer bússola política. Perante qualquer acontecimento, o que ouço na CNN faz de Trump um vilão, na MSNBC um criminoso à solta e na Fox News um herói. Não me refiro à natural diversidade de linhas editoriais dos canais. É uma questão que chega ao modo como se constrói a factualidade da notícia. O caso paradigmático que vale por todos os que se repetem quotidianamente deu-se durante a crise da separação de crianças candidatas a asilo dos seus pais. Num canal havia a notícia de um pai que se suicidara após ter sido separado do seu filho. Trágica e desumana esta política de Trump. Noutro, uma história de tráfico de crianças em que falsos pais eram membros de gangues que traficavam crianças para os EUA e que tinham ligações a um assassínio recente de um jovem promissor numa cidade de fronteira. Humanitária e anti-crime, esta mesma política.

Eu não tenho apenas que escolher o ângulo sob o qual leio as notícias. Quando escolho um meio de comunicação escolho os factos em que vivo. A factualidade tornou-se uma matéria de fé. Um CNN-americano e um Fox-americano não vivem no mesmo mundo. Ponto final. Não há verdades sobre as quais se criam e discutem opiniões. Há apenas verdades em competição.

Os resultados eleitorais terão menos a ver com que segmentos do eleitorado que cada candidato vai conquistar do que com que segmentos do que já é o seu eleitorado vai evitar que não vote. E Trump está em campanha desde o dia em que foi eleito. Faz comícios regularmente. Até a sua mudança de residência da perdida Nova Iorque para a disputada Florida é calculada.

Este fenómeno de os políticos nacionais terem bases com segmentos identitários bem definidos que acreditam em verdades diferentes acompanha uma alteração estrutural na vida política, a que aqui chamam polarização, que pareceria normal a qualquer europeu habituado a partidos ideológicos, mas desconcerta as instituições americanas. Até um passado recente, a governabilidade assentava na existência de um grande centro político, constituído por republicanos pouco conservadores e democratas pouco progressistas, que construía as coligações que conduziam o país e que os Presidentes navegavam. Mas essa política está morta. Começou a morrer pelo menos com a Administração Clinton e foi-lhe desferido um golpe fatal com a eleição de Trump, ou seja, com a sua vitória, antes de qualquer outra, sobre o velho Partido Republicano.

A estamina que abunda em Trump falta a Biden e o populismo reacionário de Trump bate o populismo de esquerda de Sanders por dez a zero

Hoje não há quase nenhum republicano que se atreva a não seguir Trump, sob receio de ser cilindrado pela sua máquina política pessoal. Se há Mitt Romney para mostrar, não há nada que quebre o círculo do receio dos republicanos de serem abandonados por Trump. Diz-se que em surdina o criticam cada vez mais, que a intriga palaciana indica que pode tudo estoirar um dia. Mas, como se vê na gestão do processo da sua destituição, esse dia ainda não chegou.

Nos democratas, a situação é de total desorientação. Esta semana, a ver o último debate antes dos caucus do Iowa, quase adormecia. O momento mediático do debate foi o pós-sessão com a indignada Warren a acusar Sanders de lhe chamar mentirosa na televisão. Os democratas, cujos dois principais candidatos conseguem ser ainda mais velhos que Trump, oferecerão muito provavelmente como alternativa a este um outro presidente octogenário durante o mandato, seja ele o moderado Biden ou o socialista Sanders. Mas a estamina que abunda em Trump falta a Biden e o populismo reacionário de Trump bate o populismo de esquerda de Sanders por dez a zero.

Eu, europeu, encontro uma razão para um cidadão comum preferir os democratas aos republicanos em quaisquer circunstâncias - o sistema de saúde. Vivi aqui dois anos, não sou analfabeto e ainda não consegui perceber as regras do que me pagam, do que tenho que pagar, do que é elegível e não é elegível no meu seguro de saúde, que me dizem que é generoso. Pago centenas de dólares por consultas e procedimentos básicos e vejo na fatura apenas uma ínfima parte do custo "real" do procedimento. As classes médias vivem apavoradas com a ideia de ter uma doença. Mas Trump está bem aconselhado. Ninguém o ouve falar do tema há anos e assiste ao debate entre democratas sobre se deve ser criado um seguro público universal para os não cobertos ou um sistema público como o nosso e acena com o aumento de impostos que aterroriza a sua parte dos americanos.

Finalmente, o ponto por onde podia começar. Vivo há dois anos no Vaticano dos economistas. Entre o Banco Mundial e o FMI, que são dois edifícios um em frente ao outro, convenientemente ligados por uma passagem subterrânea (coisa simples, é uma garagem, não imaginem coisas de illuminati) há provavelmente a maior concentração por metro quadrado de massa cinzenta da economia ortodoxa do mundo. E os meus colegas são unânimes desde o dia em que cheguei quanto a que a política económica de Trump vai levar a uma recessão económica nacional, o conflito comercial com a China vai provocar uma recessão global mas - vá-se lá saber porquê - a expansão continua, os EUA vivem em pleno emprego e o mundo não entrou num novo inverno económico.

Tudo isto sem falar da lama que Trump pretende atirar sobre Biden. Num quadro assim, quem vai ganhar as presidenciais americanas?

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG