Uma costureira, um sexólogo e a nossa generosidade

Numa redação de colegas doutos e experientes, eu, jovem jornalista, fui atirada às feras. Enviada ao Porto para cobrir um congresso de sexologia - tema apelativo mas sem especialistas ou voluntários para o tratar -, cheguei à estação de São Bento muito em cima da hora. Quando tudo podia correr mal, com um frio de rachar, do meu casacão caiu o único botão que impedia o vento gélido de me enregelar. Corri para a Baixa e entrei numa retrosaria esbaforida. Contei a minha desgraça à empregada de balcão e pedi um carro de linhas e uma agulha.

- Nem pense nisso, tome lá uma agulha e linha e cosa aqui!

Do outro canto da loja saiu mais uma ajuda.

- Ó menina, dê cá o botão que nunca mais cai!

Uma costureira ali mesmo à mão de semear. E generosa. Enquanto cosia o botão (e nunca mais caiu) desabafei, até indelicada, a minha pressa para chegar ao Hospital de São João, onde o congresso já tinha começado. O marido da costureira, taxista reformado, prontificou-se a levar-me. Tinha ainda assim falhado a hora da entrevista com um especialista, na altura desconhecido para mim, mas já tão famoso para o país. Senti-me desesperada na missão. Esperei até ao fim, já noite cerrada, e timidamente tentei fazer duas ou três perguntas, das muitas que levava para o sexólogo. Terminei a fazer uma bela entrevista na Avenida dos Aliados e a desfrutar de um pedaço de conversa culta e interessante com Júlio Machado Vaz, que esteve de pedra e cal comigo até perto das duas da manhã.

Naquele dia tive uma dose concentrada de generosidade e simpatia, que muitas vezes não valorizamos. Somos assim, prontos, sem dar conta. E estamos no top dos países mais acolhedores. Quem vem de fora sente-o. A simpatia, valor imaterial, é tão importante para o turismo, a árvore das patacas portuguesa, como as paisagens, a gastronomia ou os hotéis. Há pouco dias, o designer e arquiteto francês Philippe Starck confessou que, depois de muitas andanças pelo mundo, mudou-se para Portugal porque se apaixonou pelo ambiente caloroso. Portugal está na moda - não só mas também por isto.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...