A neta e o tempo

Vejo-a muitas vezes quando vou ao pátio regar as plantas ou aparar o maracujá. Cabelos brancos bem cuidados, as costas ainda direitas, uma voz doce mas sonora. A vizinha dá-me conselhos de jardinagem e gaba o jasmim, fala do tempo que vai fazendo e do tempo que já passou.

"Também tínhamos um maracujá assim, mas acabei por cortá-lo por causa das formigas. Quem gostava dele era a minha neta... já cá não mora, nem sei por onde anda..."

A história é curta e sempre a mesma, nem por isso causa menos impressão. A passagem do plural ao singular, a neta que pedia maracujás e agora não pede nada, perdida nas reticências. Eu sei que não foram as formigas que cortaram o maracujá e a vizinha também sabe.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.