A neta e o tempo

Vejo-a muitas vezes quando vou ao pátio regar as plantas ou aparar o maracujá. Cabelos brancos bem cuidados, as costas ainda direitas, uma voz doce mas sonora. A vizinha dá-me conselhos de jardinagem e gaba o jasmim, fala do tempo que vai fazendo e do tempo que já passou.

"Também tínhamos um maracujá assim, mas acabei por cortá-lo por causa das formigas. Quem gostava dele era a minha neta... já cá não mora, nem sei por onde anda..."

A história é curta e sempre a mesma, nem por isso causa menos impressão. A passagem do plural ao singular, a neta que pedia maracujás e agora não pede nada, perdida nas reticências. Eu sei que não foram as formigas que cortaram o maracujá e a vizinha também sabe.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.