Um frankenstein espanhol não é uma geringonça portuguesa

Pedro Sánchez não quer só derrubar Mariano Rajoy, quer também ser chefe de governo a todo o custo. E é neste a todo o custo que reside o problema espanhol, já que ninguém rejeita que o PP está manchado pelos escândalos de corrupção e que é legítimo o líder do PSOE ambicionar o poder. Fala-se de um governo frankenstein, pois se a moção de censura apresentada pelos socialistas resultar, a nova maioria nasce do apoio tácito não só do Podemos como de uma miscelânea de partidos nacionalistas catalães e bascos, uns à direita, outros mais à esquerda até do que o PSOE.

Desde que chegou pela primeira vez à liderança do PSOE em 2014, Sánchez tem procurado formas de afastar a direita, mas tanto nas eleições de dezembro de 2015 como nas de junho de 2016 obteve os piores resultados da história do partido. E isto apesar do descrédito do PP, desgastado pela austeridade e pelos escândalos. Chegou a ser afastado pelos barões do partido, mas os militantes deram-lhe nova oportunidade e chegámos assim a este momento do tudo ou nada.

A certa altura, a solução governativa portuguesa chegou a servir-lhe de inspiração: falou-se de uma geringonça à espanhola, com PSOE, Podemos e outras forças esquerdistas, talvez até os centristas do Ciudadanos, hoje líderes nas sondagens. Mas falhou porque nem o inexperiente Sánchez é António Costa, que foi ministro e presidente da Câmara de Lisboa antes de ser primeiro-ministro, nem a Espanha é Portugal. PCP e Bloco de Esquerda até podem questionar a NATO e a UE, mas não geram por isso nenhum drama ao PS, que vai contando com o apoio de ambos. Mas o PSOE juntar-se agora nesta moção aos partidos bascos e sobretudo aos catalães que defendem a independência é um risco tremendo para Espanha e para os próprios socialistas, que fazem má figura nas sondagens. Um frankenstein é bem diferente de uma geringonça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.