Um frankenstein espanhol não é uma geringonça portuguesa

Pedro Sánchez não quer só derrubar Mariano Rajoy, quer também ser chefe de governo a todo o custo. E é neste a todo o custo que reside o problema espanhol, já que ninguém rejeita que o PP está manchado pelos escândalos de corrupção e que é legítimo o líder do PSOE ambicionar o poder. Fala-se de um governo frankenstein, pois se a moção de censura apresentada pelos socialistas resultar, a nova maioria nasce do apoio tácito não só do Podemos como de uma miscelânea de partidos nacionalistas catalães e bascos, uns à direita, outros mais à esquerda até do que o PSOE.

Desde que chegou pela primeira vez à liderança do PSOE em 2014, Sánchez tem procurado formas de afastar a direita, mas tanto nas eleições de dezembro de 2015 como nas de junho de 2016 obteve os piores resultados da história do partido. E isto apesar do descrédito do PP, desgastado pela austeridade e pelos escândalos. Chegou a ser afastado pelos barões do partido, mas os militantes deram-lhe nova oportunidade e chegámos assim a este momento do tudo ou nada.

A certa altura, a solução governativa portuguesa chegou a servir-lhe de inspiração: falou-se de uma geringonça à espanhola, com PSOE, Podemos e outras forças esquerdistas, talvez até os centristas do Ciudadanos, hoje líderes nas sondagens. Mas falhou porque nem o inexperiente Sánchez é António Costa, que foi ministro e presidente da Câmara de Lisboa antes de ser primeiro-ministro, nem a Espanha é Portugal. PCP e Bloco de Esquerda até podem questionar a NATO e a UE, mas não geram por isso nenhum drama ao PS, que vai contando com o apoio de ambos. Mas o PSOE juntar-se agora nesta moção aos partidos bascos e sobretudo aos catalães que defendem a independência é um risco tremendo para Espanha e para os próprios socialistas, que fazem má figura nas sondagens. Um frankenstein é bem diferente de uma geringonça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.