Camões e Cervantes sentam-se num bar e encontram CR7

Oue curioso é Portugal e Espanha terem dois homens de letras entre os seus heróis, esses Camões e Cervantes capazes de figurar no imaginário popular ao lado, talvez até acima, de guerreiros míticos como Afonso de Albuquerque e El Cid. Entre Marcelo Rebelo de Sousa, que inicia hoje uma visita de Estado a Espanha, Felipe VI e Mariano Rajoy, alguém decerto os relembrará por estes dias.

Foi Javier Rioyo, diretor do Instituto Cervantes de Lisboa, que um dia me chamou a atenção para o muito que os autores d'Os Lusíadas e de Dom Quixote tinham em comum: homens de letras sim, mas também homens de ação, com um percurso de vida nos antípodas da pacatez que foi, por exemplo, a existência do inglês Shakespeare, nem por isso menos genial, como é justo deixar bem claro.

Nascidos ambos no século XVI, na época em que o mundo estava repartido entre portugueses e espanhóis, foram viajantes, soldados e espiões. Camões conheceu mais mundo, pois viveu no Oriente, entre Goa e Macau, mas Cervantes andou muito pelo Mediterrâneo, esteve preso em Argel, chegou até a candidatar-se a um posto nas Américas, já depois de ter casa em Lisboa. Vidas perigosas, que deixaram mazelas: Camões perdeu um olho numa escaramuça naval no estreito de Gibraltar, Cervantes ficou com a mão esquerda inutilizada em Lepanto.

Essa notável coincidência de personalidades e de vidas entre Camões e Cervantes, ambos também tragicamente a morrer pobres, talvez sirva para representar a afinidade que sempre houve entre os portugueses e os espanhóis. Embora rivais históricos - com mais razões de queixa o mais pequeno, mas também a tê-las o outro lado, pois se Lisboa viu chegar Felipe II para ser coroado rei, no século XVIII foi o marquês de Minas a entrar triunfante em Madrid - combateram uns contra os outros pela última vez há mais de dois séculos. Não há, pois, relatos familiares de assassínios, violências ou atrocidades, nenhum velho avô ou avó a contar o que sofreu nas mãos do inimigo. E isso faz toda a diferença, como percebo quando discuto com os próprios a inimizade entre alemães e franceses ou russos e polacos ou croatas e sérvios, em que as memórias das guerras antigas estão bem vivas. Também ajuda à relação amigável que existe entre os povos ibéricos que tenham culturas e línguas que são do mais próximo que há. Tiramos nós portugueses mais proveito disso, creio.

Deixando de lado a ideia de União Ibérica - que nem entre 1580 e 1640 existiu no mau sentido, pois o Brasil continuou a falar português e Goa manteve vice-rei português - que não fiquem dúvidas de que os sucessos de Portugal e de Espanha estão ligados e que a um e a outro interessa que o vizinho prospere. Isto mesmo que na hierarquia das nações os ibéricos estejam longe de ser aquilo que eram no tempo de Camões e Cervantes, os tais nossos heróis improváveis, tão contemporâneos que é possível imaginá-los a sentarem-se hoje à conversa num bar madrileno e encontrarem CR7, o português símbolo do Real.

Jornalista

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.