Veredas e atalhos da política de direita

A vertigem de elogios, dignos de evocações póstumas, sobre o legado governativo de Passos Coelho deixa antever o pior. Tementes de que as exéquias políticas fossem longe de mais e desembocassem em forçado interregno do único caminho que os interesses dominantes inscreveram em talha dourada, aí os vemos a ressuscitar não tanto o fautor mas sim a substância da política que executou. A reencarnação não tem nada de inocente.

São muitas, e não menos surpreendentes, as expressões de louvação à sua "coragem", a exaltação do "rigor" salvífico que nos teria livrado do inventado espectro da bancarrota, a gratidão pela precursora lavragem do trilho semeadora dos frutos do tempo presente. No recipiente infindável de virtudes que agora lhe reconhecem há um pequeno "senão", uma arreliadora mácula: o que os novos louva-passos identificam como o estilo desajeitado de que deu provas enquanto "líder da oposição". A nódoa agora vertida não tem que ver com alguma parcimónia elogiosa ou receio que ali se encarnasse a perfeição em pessoa. A imperfeição não está no passado que tão bem teria desempenhado. Está, isso sim, nessa decepcionante incapacidade para evitar outra solução que não a do bem-aventurado arco de governação, de não ter aberto as janelas ao diálogo, de não ter deixado ao PS outra opção que não a de se sujeitar o que à sua esquerda forçavam. Percebe-se ao que andam. Na busca do caminho da recuperação do tempo perdido, medido pela bitola que interessa, ou seja, o volume de acumulação de lucros que não querem ver questionada. Esse desejado caminho que, por trilhos, atalhos ou veredas desagúe nas águas paradisíacas das praças financeiras. Para o efeito importa pouco o estado do piso, redescoberto que está o asfaltador capaz de aplanar o terreno.

Não espanta que da boca de Rui Rio, e do aparo de analistas, se repitam todos os dogmas neoliberais - travestidos uns, na nudez da sua essência, outros - inscritos na agenda da política de direita. Aí temos reposto o "viver acima das possibilidades", agora na versão menos rústica de "acumular reservas". Ou revisitada a agenda de exploração e empobrecimento dos trabalhadores baseada na robustez económica da imbatível premissa: A economia cresce? Então, corte--se agora em direitos, pensões de reforma e salários porque dias maus hão-de chegar; a economia recua? Obviamente, corte-se nesse mesmo tecido para ajustar o corpo à medida, que é como quem diz garantir que a acumulação capitalista se mantém apresentável.

O investimento é baixo e tem de ser aumentado? Corte-se nos apoios sociais e nos serviços públicos, não no serviço de dívida sufocante que consome o excedente orçamental que o país já gera! Rebelam-se com a insensata colecção de défices externos acumulados nos últimos vinte anos? Lágrimas de crocodilo de quem se recusa a relacioná-los com a adesão à moeda única e os efeitos devastadores para a economia nacional, se resigna à usura dos credores, se esquece dos milhares de milhões engolidos na voragem fraudulenta dos banqueiros. O perigo, gritam, vem do consumo, do desequilíbrio que provoca à balança comercial a relação desigual entre exportação e produtos importados. Ninguém subestimará a importância das exportações. Mas não se a separe da condição primeira de realização - produzir - e muito menos não se ignorem as desvantagens concorrenciais decorrentes da amarração a uma moeda forte sem qualquer relação com a fragilidade da economia. Fingindo ignorar a deliberada destruição da produção nacional, apressam-se a decretar a única receita que conhecem. Não adianta explicar que consumo interno significa mais poder de compra: direito ao acesso a bens de primeira necessidade, não ter de ir para a porta do banco alimentar para obter o leite para os filhos ou o pão para pôr na mesa. Usufrutuários de outro estatuto material não ligam a tais minudências.

Não passa despercebida a janela que antevêem para traduzir a inata convergência de PS, PSD e CDS, em matérias estruturantes. Aquilo que Francisco Assis, exultante, vê como "novas perspectivas de diálogo, mais consentâneas a prazo com a obtenção de respostas que as verdadeiras necessidades do país exigem". O que resulta da convergência entre PS, PSD e CDS tem prova feita em quatro décadas de política de direita. O que o país precisa não é de exercícios de geometria variável que de forma mais ou menos elíptica, disfarçada aqui ou ali com a intercepção por segmentos secundários, mantenha as opções essenciais que tolhem o desenvolvimento e bem-estar. Não adianta teorizar sobre "consensos alargados" a pretexto de que sem dois terços de votos não há reformas aprovadas - a questão central é saber para quê e a quem servem. Como não adianta justificar o cair do PS nos braços do PSD a pretexto de não obter apoio de partidos à sua esquerda, iludindo as razões que levam uns a aprovar e outros a rejeitar. Clareza de propósito é o que se exige e se tem de provar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.