39 Degraus

E quando evitamos confirmar os factos para não estragar a ilusão...

Quem vai à Cinemateca em Lisboa confronta-se com vários cartazes de filmes antigos, mas não é isso por agora que interessa. Há no primeiro piso um restaurante chamado 39 Degraus, para o qual o cliente (ou cinéfilo) tem de subir uma escada com imensos degraus. Creio que será devido a essa quantidade de degraus a razão de o espaço gastronómico ter esse nome, mas não é preciso pensar muito para imaginar que haverá outra justificação: The 39 Steps. Ou seja, o título de um filme de Alfred Hitchcock.

Ao longo das vezes que tenho subido esses degraus senti sempre vontade de os contar para confirmar se a analogia confere, mas evito fazê-lo para manter no imaginário essa suspeita. Algo tão curioso como o facto de ser difícil imaginar que o filme é anterior à própria Cinemateca. O primeiro estreou-se em 1935 e a segunda abriu portas em 1948.

The 39 Steps é um thriller que descreve o equívoco vivido por um cidadão londrino que é acusado de matar uma agente da contraespionagem militar britânica. Tudo acontece de um modo
hitchockiano: num teatro de Londres está um espectador a assistir a uma demonstração dos poderes do Senhor Memória, quando se escutam vários tiros. Há uma fuga do local e o cidadão acaba no apartamento de Annabella, que lhe confessa que é espia e querem assassiná-la. Horas depois, a mulher morre e o homem é obrigado a fugir e a esconder-se em vários sítios.

Quando há duas semanas voltei a subir esses degraus, mantive a habitual resistência em os contar e continuo sem saber quantos são. Ao pensar nessa teimosia, pergunto se esta não é a melhor forma de manter a ilusão, aquela que o cinema também oferece ali na Cinemateca. Mas não deixo de pensar que, se Alfred Hitchcock entrasse no edifício, a primeira coisa que faria seria contabilizar os degraus e confirmar se a sua pegada teria chegado a Lisboa além dos próprios filmes. Esse não ia em ilusões!

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.