O caminho da vida

Todas as épocas e regiões registam atrocidades e horrores. Algumas, porém, ficam marcadas para sempre por barbaridades extremas. Guilhotina jacobina, holocausto nazi, ataque atómico ao Japão, massacres arménio e tutsi, entre tantos outros, definem indelevelmente a comunidade que os executou. Essas calamidades são praticadas, em geral, com excelentes motivos, buscando finalidades elevadas. Foi o sonho da sociedade perfeita que motivou o gulag soviético, "grande salto em frente" chinês ou reinado dos khmers vermelhos. A contradição entre dignidade de propósitos e terror das acções justifica-se pela armadilha ideológica, que facilmente justifica os meios sangrentos pelos fins sublimes.

A nossa sociedade, que se diz democrática e tolerante, passa hoje por algo semelhante. Comportamentos que todas as gerações anteriores abominaram e as próximas contemplarão com náusea são legitimados pela cegueira doutrinal mais opaca, que domina leis, discursos e jornais. No futuro será difícil compreender como uma cultura sofisticada e benévola conseguia participar, e até defender, tais perversidades.

Hoje, 4 de Novembro, em Aveiro, Lisboa e Porto, realizam-se Caminhadas pela Vida, manifestações públicas em defesa do direito mais básico e essencial, a protecção de seres humanos contra agressões fatais de outras pessoas. Ser necessário sair à rua para defender princípio tão decisivo e elementar chega para mostrar a gravidade da situação. Têm de existir factos terríveis para que cidadãos respeitáveis e cordatos sintam o impulso de levantar a voz para dizer algo que Constituição, leis e todo o Estado de direito deveriam garantir automaticamente. Mas não garantem. Essas pessoas não só tem boas razões para aquilo que acusam, mas sabem que a generalidade da sociedade está apática, senão abertamente cúmplice, perante as crueldades cometidas no aborto, na eutanásia, na procriação assistida e em tantos outros atentados à vida e à família.

A morte anual de dezenas de milhares de pessoas, totalmente inocentes e absolutamente indefesas, constitui uma chacina, não só inimaginável, mas que ultrapassa facilmente em dimensão e injustiça muitas das catástrofes que desonraram épocas antigas. E isso passa-se na serenidade esterilizada de hospitais, protegido pela lei e praticado por médicos que juraram defender vida e saúde.

Um aborto é sempre um acto objectivamente abominável, arrancando à força um feto do seio da mãe grávida. Qualquer pessoa equilibrada só pode sentir repulsa e aversão perante espectáculo tão degradante. Claro que o mesmo se poderia dizer de muitas intervenções cirúrgicas, mas essas justificam-se pelo bem do paciente. Aqui, porém, a repugnância corresponde à finalidade, que é simplesmente matar a criança antes de nascer. De qualquer ponto de vista, essa operação é repelente e detestável.

Como pode então uma sociedade civilizada tolerar tal procedimento e, mais ainda, promovê-lo e subsidiá-lo? A resposta é simples: conveniência. Aquele nascimento cria incómodo, aquela criança é indesejada. Trata-se precisamente do mesmo argumento que justificava os horrores antigos. Todos os que matam têm sempre interesses a proteger; aliás, normalmente mais ponderosos do que o incómodo de criar um filho. Os "motivos socioeconómicos" da eufemisticamente chamada "interrupção voluntária da gravidez" são menos compreensíveis do que os que justificaram as grandes mortandades históricas, a maior parte delas atingindo menos pessoas do que o flagelo actual.

Como é possível, no primeiro quartel do século XXI, que civilizações sábias e refinadas aceitem esta prática hedionda, e até a defendam como direito humano? A resposta é, mais uma vez, paralela aos argumentos usados nas antigas carnificinas: recusar estatuto humano a certas pessoas. Este é o raciocínio que suporta a escravatura, a limpeza étnica e práticas afins. Como o feto não é uma pessoa, pode matar-se, se der jeito. Aquele que, para os pais que o amam, é já o bebé querido em gestação, o mesmo que, logo depois do nascimento, terá todos os direitos, pode perante a lei ser reduzido à condição de quisto a remover como maligno. E o nosso tempo aceita isto, justifica-o, estimula-o como direito maternal.

O aborto é apenas o extremo do que se passa na morte de doentes e idosos, nos milhares de embriões congelados e tantos atentados à vida e ao casamento, resultado da mesma ideologia hedonista e arrogante. Aqueles que se opõem à matança são considerados bárbaros incivilizados; precisamente o que se dizia dos que defendiam os negros na América esclavagista. Por isso, as Caminhadas pela Vida parecem patéticas à comunicação social e cultura dominante. Mas essas manifestações dirigem-se menos aos concidadãos, embriagados na cega doutrina do género, do que às gerações futuras. Quando os nossos descendentes contemplarem horrorizados este tempo, é bom que saibam que já hoje havia quem se opunha, em nome da vida e da liberdade, a esta miséria.

Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.