Esclerose dos interesses

Portugal começou este século da mesma forma que o anterior: em decadência. Há mais de 15 anos que vimos sucessivamente a enfraquecer, sem perspectivas de retoma. Em termos demográficos, económicos, financeiros, sociais, políticos e culturais, Portugal vai ficando menor. Na dolorosa trajectória de queda, de vez em quando passamos um novo marco do declínio. O último cartaz do PS assinala a descida de um degrau adicional de abjeção.

O slogan "em defesa da escola pública" não é propriamente original. Aliás limita-se a glosar palavras de ordem anteriores de alguns partidos e movimentos extremistas ou corporativos. Apesar disso, ver o Partido Socialista afinar por esse diapasão constitui um grau inesperado de infâmia. Tal hipocrisia não é habitual nas forças democráticas portuguesas. Uma coisa é ler isto em grupos minoritários, que nos habituaram às atoardas mais boçais. Aliás, na boca deles nem sequer chega a ser hipocrisia, de tal modo a sua mundividência distorce a realidade. Mas a mesma frase sob o símbolo de um dos pilares do regime revela o ponto de degradação a que chegámos.

O PS sabe perfeitamente que a escola pública não está a ser atacada, não sofre qualquer ameaça à sua existência e prosperidade, nem precisa de defensores alvoroçados. Se é essa a preocupação, pode ficar descansado, sem incorrer em despesas publicitárias para declarar motivo tão meritório quanto pacífico.

Mas todos sabem que esse não é o problema. É verdade que existe uma parte do sistema escolar nacional a necessitar de urgente defesa, mas aí o agressor é o governo do PS. Quando o seu Ministério da Educação está empenhado na maior campanha das últimas décadas contra a escola livre e a possibilidade de escolha de pais e alunos, falar em defesa da escola pública é supina impostura. O agressor mascara-se de protector de inocentes para esconder a sua barbaridade. Hitler também fingiu proteger os Sudetas para atacar a Checoslováquia e invocou a defesa dos alemães em Dantzig como pretexto de invasão da Polónia. Claro que o PS é uma força digna e civilizada, sem qualquer semelhança com os nazis. Por isso choca vê-lo embrulhado nos mesmos estratagemas. O senhor ministro não está a defender a escola pública; limita-se a estragar a outra. No final a educação nacional fica mais pobre, as crianças menos defendidas, o país mais desorientado.

Este é apenas um caso pontual, mas tem a clara vantagem de explicitar bem as origens da decadência lusitana. Porque esta, desde 1383, é sempre causada pela mesma doença, a esclerose dos interesses. Alguns grupos capturam o propósito nacional e exploram-no a seu favor. Foi assim com os nobres medievais, os interesses coloniais, a burguesia liberal, as corporações salazaristas. É quando se perde de vista o país para defender o umbigo que Portugal decai. Mas em poucas circunstâncias vemos este vício tão assumidamente proclamado como neste cartaz.

Note-se que a finalidade do partido, do governo, do Ministério da Educação é a escola. Não é a educação, não são as crianças, não é o futuro do país, mas a escola. O aparelho sobrepõe-se ao propósito, o mecanismo é mais importante do que o serviço. E a escola que o PS quer defender não é a escola de qualidade, não é a escola livre, não é a escola participada, mas a escola pública. O que interessa é o imenso organismo de funcionários que se alimenta, independentemente do público que devia servir.

Não é fácil encontrar ocasiões em que a máscara caia tão flagrantemente, para revelar à evidência, com comovente candura e desavergonhado desplante, a mais descarada perversão da função estatal. Temos o poder governamental ao serviço de um grupinho particular. Só faltava o símbolo da Fenprof para a proclamação ficar completa.

Esta é a grande vantagem do actual governo: já nem esconde a decadência. O seu programa é a simples sobrevivência, e o meio usado passa pela vassalagem aos barões. Não se lhe conhece nenhum programa estratégico, uma visão abrangente, uma linha de rumo positivo. Nem sequer um diagnóstico sério da situação. Limita-se a identificar as forças dominantes, prometendo-lhes as benesses adequadas.

Por outro lado, a atitude manifesta que a decadência está a chegar às últimas fases. Vimos algo semelhante no segundo governo Balsemão em 1981 e no segundo governo Sócrates em 2009. É a situação desesperada que faz perder a vergonha, revelando, debaixo do forro, o rude maquinismo. Depois destes governos de recurso e de desespero costuma aparecer a mudança. Seja para o progresso ou para o caos.

Exclusivos

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.