Um carnaval de mais três anos. No mínimo

Religioso por natureza, o carnaval, por alguma razão, travestiu-se de pagão, de pecador e de transgressor ao longo dos tempos.

Na festa que consagra tudo o que fica oculto no resto do ano, o machão peludo mascara-se de mulher, a mulher usa bigode, a criança fantasia-se de adulto, o adulto veste-se de criança.

O pobre sai à rua como uma rainha e o milionário todo rasgado e feliz.

A branca apropria-se do cocar do índio, o negro finge-se de samurai, o oriental toca batuque até às tantas.

É o momento do ano em que até o sisudo prega partidas, em que até o abstémio bebe, em que até o pudico se solta.

É, em suma, a celebração de um doce absurdo.

Bom, em 2020, no Brasil, bota absurdo nisso.

Este ano, um analfabeto funcional que escreve suspenção com "ç", paralização com "z" e que confunde o escritor checo Kafka com o acepipe árabe Kafta e a palavra "acepipe" com o termo "assecla", que odeia universidades - por, diz ele, ser um antro de orgias - e universitários - por, presumimos, nunca o terem convidado para nenhuma - vai usar uma fantasia imprecionante, com "c", de ministro da educação.

Com uma bela máscara de ministro do ambiente, desfilará um condenado em primeira instância pela Justiça do estado de São Paulo por cometer fraude ambiental - sim, ambiental - para beneficiar empresas de mineração enquanto secretário paulista.

Um terraplanista convicto para quem a principal missão de um diplomata nos dias de hoje é - qual Saulo de Tarso do século XXI - espalhar a fé cristã pelo mundo, usará capa de ministro das relações exteriores.

Entretanto, um sujeito que manda a classe média, literalmente, para o Cachoeiro de Itapemirim, a cidade do cantor romântico Roberto Carlos, em vez de andar por aí a encher os aeroportos como no tempo do outro senhor barbudo, e que arrepia o cabelo quando lhe falam em impostos para lucros milionários mas quer taxar os desempregados, surgirá na avenida travestido de ministro da economia.

Vestido como presidente da fundação de apoio à música, um senhor para quem o rock leva ao aborto.

E com a roupa de líder da Fundação Palmares, cuja finalidade é a promoção da influência africana no Brasil, um cidadão contrário a cotas raciais e à celebração do dia da consciência negra mas defensor da teoria de que a escravidão foi lucrativa para brancos e pretos.

Ah, e agora, até surgiu uma última novidade no mundo das fantasias: como ministro da Casa Civil (soletremos: c-i-v-i-l) um... general.

Mas nesta escola de samba não pode faltar, claro, a rainha da bateria.

Enfeitado com uma faixa presidencial surgirá o devoto cristão para quem o quinto mandamento não passa de "mimimi" [mariquice] porque "bandido bom é bandido morto" e para quem na ditadura militar brasileira infelizmente se matou pouco.

Moralista, partilha vídeos nestas ocasiões de práticas sexuais pesadas, como o Golden Shower, para que as crianças não as repitam em casa.

Ícone da luta anti-corrupção, empregou dezenas de familiares como assessores de fachada nos seus gabinetes e dos filhos.

Lutador implacável contra o crime, homenageia e aplaude membros da máfia (chamam-lhe "milícia" no Brasil) do Rio de Janeiro.

Adepto do liberalismo económico, vive às custas do estado há mais de três décadas.

Feroz com os empregados que não produzem riqueza, enquanto deputado redigiu um decreto de lei a cada 15 anos.

E, no entanto, é idolatrado por milhões de carnavalescos fantasiados de exemplares bovinos nos grupos de Whatsapp.

Mas é carnaval, ninguém leva a mal.

O problema é que, recolhidos os confetes e serpentinas, despido o vestido do machão peludo e descolado o bigode da mulher, estes foliões continuarão mascarados no poder por mais três anos. No mínimo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG