Quem manda?

Uma das poucas coisas óbvias sobre o que o Presidente Macron prometeu ao povo para acalmar - sem grande sucesso - os gilets jaunes é que aquilo tem um custo que não é compatível com as regras orçamentais a que França está obrigada por força de fazer parte da União Europeia e, sobretudo, da zona Euro. Um problema parecido com o que Itália tinha. Só que Itália é uma economia irreformável em pré-colapso há vários anos, governada por populistas com vontade de esbanjar dinheiro para agradar ao povo.

Ao passo que França é uma economia irreformável, qualquer dia em pré-colapso, governada pela grande esperança europeia, disposta a fazer o que for preciso para agradar ao povo, antes que o povo caia nos braços dos populistas. Acontece, ainda, que França é França. E até a Itália é a Itália. Ao passo que a Grécia, a Irlanda e Portugal são completamente diferentes. Para os mercados isso é evidente. Se também são para Bruxelas e para os restantes países europeus, é o que em breve iremos descobrir.

Como rapidamente se irá perceber, durante o tempo da Troika disseram-se duas verdades e uma mentira. A mentira, vai-se descobrir, é que as regras seriam iguais para todos. Obviamente , seriam se e quando se aplicassem a quem não tem alternativa que não seja obedecer. As duas verdades é que não havia mais ninguém que nos emprestasse dinheiro e, mais importante: se houver maior integração europeia, vai ter de haver menos política nacional.

Tirando meia dúzia de arruaceiros, os gilets jaunes franceses não foram a Bruxelas porque sabem que só o governo francês pode ceder e dar-lhes o que eles querem (seja lá isso o que for). E sabem que são os governos e os parlamentos nacionais que respondem perante os eleitores e, no limite, os temem.

Em Bruxelas, por maior que seja a legitimidade do Parlamento Europeu (e convenhamos que é grande), ou a da Comissão Europeia, desta vez escolhida com o modelo Spitzenkandidaten, não há verdadeiros interlocutores. E, no entanto, é cada vez mais ali que está o poder. Inclusive, como em tese se verá, o de dar ao povo o que o povo pede. Ou não.

Tudo isto para concluir que teremos de escolher um de três cenários: ou travamos a integração, e cada país mantém soberania política e liberdade de políticas; ou mantemos a cada vez maior integração e, das duas, uma: ou bem que as regras são iguais para todos, ou todos os países são iguais, mas há uns mais iguais que os outros. Se alguém acha que os contribuintes holandeses, alemães ou mesmo estónios estão disponíveis para pagar as reivindicações dos coletes de cada país, está tudo muito distraído. Mas se acham que é isso que vai travar os franceses, não estão mais lúcidos.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.